REFUTANDO O CACP: “O FALSO DOGMA DA VIRGINDADE PERPÉTUA DE MARIA”

“Maria, uma virgem não profanada, virgem tornada inviolável pela graça, livre de toda mancha do pecado” (Sermão 22,30 – Ambrósio de Milão [337 d.C]).

INTRODUÇÃO

O cristianismo é a religião do milagre. Se você crê nisso e entende que as regras naturais jamais poderiam ser aplicadas por aqueles que seguem a Cristo, deve saber que a fé é um combustível fortíssimo para entendermos que esse mundo, não nos pertence. A vinda de Jesus trouxe-nos a esperança. O catecismo da Igreja Católica no parágrafo 2466, ensina:

Em Jesus Cristo, a verdade de Deus se manifesta plenamente. Cheio de graça e verdade, Ele é a luz do mundo”.

O projeto de Deus para a salvação do gênero humano culminava no envio de seu único filho para regenerar os homens de seus pecados (Jo 3,16), entretanto, para que a luz chegasse até nós, seria necessária a mediação de uma criatura que estivesse preparada para receber tal missão. São Paulo em sua carta aos Gálatas, afirma que ao chegar à plenitude do tempo, enviou Deus o seu filho, “nascido de mulher” (Gl 4,4). Essa mulher cheia de graça (Lc 1,28) e já prefigurada pelos antigos profetas (Is 7,14), é filha de Sião (Zc 2,14Is 12,6), é a mãe de Deus (Lc 1,43) – Maria Santíssima.

Maria, no qual o anjo disse: “Encontraste graça junto de Deus” (Lc 1,30), foi a primeira e única mulher que concebeu uma criança sem contato com qualquer homem. Esposa do Espírito Santo e tomada pela sombra do altíssimo (Lc 1,35), Nossa Senhora inaugura o período messiânico através do seu generoso sim (Lc 1,38), afinal, para Deus nada é impossível (Lc 1,37). A concepção virginal do filho de Deus é professada no credo apostólico (“nascido da virgem Maria”) e é dogma de fé para todos os cristãos, assim como a virgindade perpétua dessa mãe amorosa. Desde o início dos séculos, a Igreja afirma que Maria permaneceu virgem “antes, durante e depois do parto”. Não apenas a fé católica, mas também às Igrejas Ortodoxas professam em pé de igualdade esse mistério, entretanto, há aqueles que continuam a desacreditar, seja por teimosia ou falta de fé. Como se já não bastasse, defender a honra de Nossa Senhora contra ataques ateístas que desmerecem o milagre da concepção virginal, somos convidados a defender essa mesma virgindade de muitos que se dizem cristãos. Sendo assim, é nessa intenção que nasce mais um artigo em defesa da fé de nossos antigos pais.

Nesse novo texto, confrontaremos os argumentos levantados contra a verdade de 2000 mil anos e daremos respostas a todas as alegações e acusações de mais um líder protestante. Como de costume, selecionei os principais argumentos, sendo que, minhas respostas estarão em preto e as do pastor em vermelho.

Rogo que a Virgem Santíssima, mãe dos cristãos, mãe da Igreja, interceda por você que irá acompanhar-me nas palavras aqui colocadas.

Obs 1: O texto aqui referido é do “pastor Esequias Soares da assembleia de Deus de Jundiaí/SP“.

Obs 2: link na integra: http://www.cacp.org.br/o-falso-dogma-da-virgindade-perpetua-de-maria/#viewreplies

REFUTANDO AS ACUSAÇÕES

1 – A recente descoberta arqueológica do ossuário de “Tiago, irmão de Jesus, filho de José”, epígrafe encontrada no sarcófago, em Jerusalém, e noticiada em todo o mundo, afeta entre outros os católicos romanos e ortodoxos. O Tiago do ossuário, encontrado pelos arqueólogos, é identificado no Novo Testamento como o “irmão do Senhor” (Gálatas 1.19). A descoberta despertou em todo o mundo o interesse sobre os irmãos de Jesus.

Definitivamente, a descoberta desse ossuário não afeta ortodoxos e tão pouco a nós, católicos. Desde que os cristãos peregrinam na terra, nos últimos dois mil anos, sempre existiram pessoas de dentro e de fora da Igreja que procuraram motivos para escarnecer e desmerecer os mistérios da fé católica. Chega a ser cômico, o autor desse texto, bradar aos sete ventos que essa descoberta possa incomodar-nos. Se assim fosse, teríamos que ficar amedrontados por muitos outros escritos e pseudo-documentos que colocariam a nossa e até mesmo a fé dos protestantes em cheque.

Vejamos:

– Em 6 de Abril de 2006, foi revelado ao mundo o “evangelho segundo Judas”. Uma cópia redigida na língua copta oriunda dos textos escritos em grego. O documento foi escrito há cerca de mil e setecentos anos (1700) e passou boa parte do tempo perdido em uma caverna no deserto egípcio. O conteúdo? Diferente dos evangelhos sinóticos que apontam Judas como traidor, o novo evangelho aponta Iscariotes como o discípulo mais fiel de Jesus e pasmem: ele entrega o Senhor porque ele próprio (Jesus) havia pedido.

Ainda que a obra seja milenar, deveríamos dar crédito para algo tão herético e que contradiz tudo aquilo que aprendemos?

– Um documento intitulado de “evangelho perdido”, descoberto na biblioteca britânica e traduzido do aramaico, revela algo estranho aos olhos da fé cristã: Jesus teria se casado com Maria Madalena e tido filhos. O manuscrito possui quase mil e quinhentos anos (1500).

Um documento milenar que revela assuntos heréticos e contrários à fé, deve ser digno de crédito por aqueles que creem em Jesus?

– O historiador Michael Paulkovich em seu livro “A fábula de Cristo”, afirma ter analisado 126 textos da época em que é atribuída a vida de Jesus e, não ter encontrado qualquer referência para acreditar que Ele de fato tenha existido.

Ainda que “126 textos” tenham sido analisados, você deixaria de crer na existência do Senhor por conta disso?

– Em 1980, foi encontrada uma tumba em Jerusalém, onde, de acordo com o geólogo Aryeh Shimron, há os restos mortais de Jesus e toda a sua família, incluindo sua possível esposa (Maria Madalena) e filho (Judá).

Ora, se o pastor, escritor do artigo, dá crédito para a inscrição de um mortuário, por que também não acreditar nessa descoberta?

Sendo assim caros leitores, qual a relação dessas informações com o possível ossuário de Tiago?

Não é a primeira vez que um achado arqueológico faz frente às crenças genuinamente cristãs. A grande verdade é que a mídia secular, tem um interesse grandioso em destruir o cristianismo e a Igreja Católica sempre tem sido o principal alvo dos inimigos do Reino de Deus. Infelizmente, muitos protestantes acabam por contribuir com essa degeneração. O suposto ossuário de Tiago é verídico? Pois bem, já foram feitos centenas de testes e desde 2002 a relíquia tem sido posta a prova e de fato, a caixa é correspondente à época em que Jesus viveu. Negar esse fato é ir contra as provas já apresentadas, porém, a inscrição pode ser analisada de acordo com o que já foi mencionado acima. Há inúmeros documentos antigos que procuram retratar uma história diferente daquela que cremos e por que no caso do ossuário onde está escrito “Tiago, irmão de Jesus, filho de José”, deveria ser diferente?

Será que toda a patrística que defendeu esmagadoramente que Jesus foi o único filho de Maria, estaria errada? Ainda que a bíblia mencione que Cristo tinha “irmãos”, não há em qualquer lugar a afirmação que esses irmãos tenham sido filhos de Maria ou José. Alias, não há nenhuma passagem que afirme que “Tiago era filho de José” e para desespero dos teólogos evangélicos, nem o próprio Tiago, em sua epístola, afirma ser irmão de Jesus (Tg 1,1) e tão pouco Judas, irmão de Tiago, afirma qualquer parentesco com o Senhor (Jd 1,1).

Isso é, uma simples lápide, pode mudar o curso da história? O suposto evangelho de Judas, o evangelho perdido, os 126 textos analisados por um historiador ou os supostos ossos de Jesus e sua família, mudaram?

É triste dizer que para alguns cristãos (não católicos), acreditar em algo só é possível quando isso faz parte do interesse em destruir a fé universal. Por exemplo, os mesmos que defendem com total vigor a frase da caixa mortuária, são os primeiros a renegar a veracidade do Santo Sudário (há provas abundantes de sua veracidade) que é uma prova viva da existência de Nosso Senhor Jesus Cristo e são os únicos a não se importar com um manuscrito datado do ano “250 d.C” que foi encontrado em uma Igreja Ortodoxa Copta no terceiro século, onde, diz:

Debaixo de tua misericórdia nós nos refugiamos ó Mãe de Deus, nossas preces não desprezes nas nossas necessidades, mas dos perigos, livra-nos. Única pura, única abençoada”.

O pedaço que restou do pergaminho está em posse da Universidade de Manchester na Inglaterra.

Como se vê, a escolha do que acreditar ou não, sempre estará seguindo um critério básico: se a Igreja Católica crê, obviamente eles estarão remando contrariamente a nós.

2 – A mídia internacional lembrou que os católicos rejeitam a crença de que Maria gerou outros filhos além de Jesus, e que nunca teve irmãos; e que os protestantes ensinam o contrário, que Maria gerou mais filhos depois de Jesus.

Os protestantes não ensinam o contrário. A não ser que o responsável pelo texto esteja referindo-se aos atuais.

Ainda que os tais reformadores tenham levado a Igreja a centenas de divisões, não podemos negar que todos eles, sem exceções, eram devotos de Maria e defendiam sua dignidade. Ainda que pentecostais e protestantes históricos falem com certa paixão de Lutero, Calvino e outros; poucos sabem do amor que esses homens nutriam pela Mãe do Salvador.

Em 1537, Martinho Lutero em seu “sermão na festa da visitação”, diz sobre Maria:

Maria é a mulher mais elevada e a pedra preciosa mais nobre do cristianismo depois de Cristo. Ela é a nobreza, a sabedoria e a santidade personificadas. Nós não poderemos jamais honrá-la o bastante”.

Já em seu “sermão sobre João” (1-4, 1534-39), o ex-monge continuava seguindo a mesma linha de pensamento da Santa Igreja Católica:

Cristo era o único filho de Maria. Das entranhas de Maria, nenhuma criança além dEle”.

Zwingli compartilhava do mesmo pensamento de Lutero. Em seu “Corpus Reformatorum” (Opera 2,189), ele afirma:

Estimo grandemente a Mãe de Deus, a virgem Maria, perpetuamente casta e imaculada”.

João Calvino, o responsável pela linhagem das denominações presbiterianas, procura explicar a passagem de Mt 1,25 da seguinte maneira (João Calvino. Sermão sobre Mateus 1,22-25, 1562):

Houve certas pessoas que quiseram sugerir a partir desta passagem [Mt 1,25] que a Virgem Maria teve outros filhos além do Filho de Deus, e que José se relacionou intimamente com ela depois; mas que estupidez! O escritor do evangelho não teve a intenção de registrar o que aconteceu depois; ele simplesmente quis deixar bem claro a obediência de José (…). Ele, portanto, nunca coabitou com ela nem compartilhou de sua companhia. Além disso, Nosso Senhor Jesus Cristo é chamado o primogênito. Isso não é porque houve um segundo ou um terceiro filho, mas porque o escritor do Evangelho está destacando sua precedência.

Parece improvável que os iniciadores do protestantismo, tivessem a mesma opinião dos ensinos atuais dos chamados evangélicos, sendo assim, como dizer que o protestantismo afirma ao contrário?  Talvez, seja mais fácil e correto assumir que as ramificações e seitas posteriores é que passaram por modificações. Dizer que Maria Santíssima possuía outros filhos, além de estar em desacordo com a bíblia (a escritura não indica que qualquer “irmão do Senhor” seja filho de Maria), tradição e informações oriundas dos próprios reformadores, é heresia profunda.

3 – A Bíblia nos diz que, no começo, os irmãos de Jesus não criam nele (João 7.3-5). Eram quatro irmãos – Tiago, José, Judas e Simão – e algumas irmãs (Marcos 6.3). Depois da ressurreição de Jesus, seus irmãos aparecem na comunidade dos discípulos (Atos 1.14). Tiago tornou-se líder da Igreja de Jerusalém e presidiu o Concílio de Jerusalém (Atos 15.13-19). Josefo, Hesipo e Eusébio de Cesaréia falam de sua justiça e piedade e também da maneira brutal como foi assassinado em Jerusalém.

Um fato incontestável nos escritos do novo testamento é a afirmação de que Jesus Cristo tinha irmãos e irmãs, porém, não há qualquer confirmação que tais pessoas eram de fato, irmãos uterinos, isto é, filhos de Maria e José. Ainda que o novo testamento aponte os tais irmãos (Mt 13,55Jo 7,3At 1,14), encontramos lacunas ao identificar ligações maternas ou paternas para Tiago, José, Judas e Simão. Além de não existir nenhuma passagem onde os “irmãos” sejam mencionados como filhos de Maria ou José, tanto Tiago, como Judas, autores de uma epístola cada, se quer identificam-se como filhos da Mãe do nosso Senhor. Talvez, a única exceção seja para Judas que afirma ser “irmão de Tiago” (Jd 1,1).

A grande verdade é que somente Jesus Cristo é o único chamado de “filho de Maria” (υιός):

Mc 6,3a – “Não é este o carpinteiro, o filho de Maria?

Se tivéssemos que considerar o uso da palavra “irmão” no ambiente hebreu para filhos da mesma mãe, teríamos que aceitar alguns absurdos que iriam contra a própria racionalidade. No livro de crônicas, lemos que Uriel, filho de Caat, possuía cento e vinte (120) irmãos (1 Cr 15,5) e que Obed-Edom, filho de Iditum e Hosa, tinha um total de sessenta e oito (68) irmãos (1 Cr 16,38).

A palavra utilizada no original grego para irmão é  αδελφός (adelphos), sendo que , seu uso corresponde a ligações amplas de parentesco (Gn 13,8Gn 29,15 e Lv 10,4). Ainda que a tradução seja colocada como “irmão”, sempre devemos levar em consideração que o ambiente da época em que as famílias viviam, era um sistema “tribal” de moradia, onde, todos os familiares moravam próximos ou nas mesmas casas. Possivelmente, esse seja o motivo da constante presença de toda a família de Jesus em algumas de suas aparições públicas (Mt 12,46).

Tiago, o chamado justo e Bispo de Jerusalém é o filho da “outra Maria” (Mc 15,40Mc 16,1). Ele é identificado pelo evangelista Marcos como o “menor”. O parente do Senhor não deve ser relacionado com os outros dois apóstolos que possuíam o mesmo nome (Mt 10,2-3), uma vez que, ele não havia acreditado em Jesus (Jo 7,5) e só passou a ter fé quando o mesmo Cristo revelou-se a ele através de uma aparição (1 Cor 15,4-7).

Jesus, por se o único filho daquela que era e é “cheia de graça” (Lc 1,28) aos pés da cruz, vendo a mulher (Gn 3,15) na qual ficou submetido por trinta anos e sabendo que Ele era o único que habitou em seu santo ventre, entregou-a ao apóstolo São João para que ele por fim, cuidasse daquela que foi a primeira cristã e que se  tornou pela graça, mãe de todos nós.

Jo 19,26 – “Jesus, então, vendo sua mãe e, perto dela, o discípulo a quem amava, disse à sua mãe: <Mulher, Eis teu filho!> Depois disse ao discípulo: <Eis tua mãe!> E a partir dessa hora, o discípulo a recebeu em sua casa“.

Se Maria tivesse tido outros filhos, jamais seria entregue  aos cuidados de um apóstolo que tão pouco era parente do Senhor.

4 – É evidente que o nome Tiago era muito comum na época, da mesma forma o era também o nome de Jesus. Josefo menciona cerca de treze personagens chamados Jesus. O historiador judeu diz que certa vez  o sumo sacerdote Anano reuniu o conselho “diante do qual fez comparecer  Tiago, irmão de Jesus, chamado o Cristo, e alguns outros” (História dos Hebreus, CPAD, livro 20.8.856). O nome José também era muito comum e encontramos vários personagens na Bíblia com esse nome. 

Essa é uma das partes do texto do interlocutor que eu não iria colocar aqui, uma vez que, não há informações a serem refutadas, a não ser, algumas colocações, porém, um fato chamou-me a atenção: o responsável pelo artigo usa Flávio Joséfo (historiador Judeu) para relatar um fato histórico onde ele, cita a presença de Tiago perante as autoridades da época. Para entender o contexto, vejamos o trecho da obra “Antiguidades Judaicas”, onde, temos a seguinte informação:

Assim ele reuniu o sinédrio dos juízes, e trouxe diante dele  o irmão de Jesus, o que era chamado Cristo, cujo nome era Tiago e alguns outros“.

A importância de trazer esse trecho para os leitores é de justamente, fazer um comparativo com aquilo que nos é passado pelos próprios escritores bíblicos.

Observe: quantas vezes os supostos irmãos uterinos de Cristo são chamados de “irmão de Jesus” nas escrituras? A resposta é apenas uma: nenhuma.

O motivo?

Embora tenhamos relatos sucintos sobre o ciclo familiar de Jesus, é justo e correto afirmar que para os padrões da época, possivelmente, Cristo possuía muitas pessoas que faziam parte de sua família. Para os escritores do novo testamento, tais pessoas, estavam integrados em um grupo distinto e gozavam de especial reputação, isto é, o uso do termo “irmãos do Senhor“, caracterizava-se como uma espécie de título honorífico atribuído desde o inicio na Igreja primitiva.

O judeu Flávio Josefo não era cristão e tão pouco conhecia profundamente o ministério de Jesus, sendo assim, por não nutrir qualquer conhecimento sobre sua história, ao se referir sobre Tiago, o chama como “irmão de Jesus“, diferente de toda a literatura bíblica que coloca claramente tão título para os parentes sanguíneos do Cristo (At 1,15 e 1 Cor 9,5).

5 – Não era usual alguém usar o nome de seu irmão junto ao seu. Nessa epígrafe do ossuário de Tiago, só se justificaria tal uso se esse irmão fosse alguém muito famoso. Esse vínculo de Tiago com seu irmão não deixou dúvida alguma para os peritos de que se trata mesmo de Tiago, que pastoreou a Igreja de Jerusalém, irmão de nosso Senhor Jesus Cristo, e que José, pai de Tiago, é o mesmo “José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo” (Mateus 1.16).  O ossuário se encontra no Canadá para mais análise.

O suposto ossuário de Tiago entra na lista de achados arqueológicos que procuram, entre todos os objetivos, polemizar algo que à Igreja crê desde o início dos séculos. Assim como temos a epígrafe de Tiago na caixa mortuária, temos certo evangelho perdido que narra um possível casamento de Jesus com Maria Madalena, um evangelho de Judas que compartilha de profunda gnose e até mesmo, uma tumba encontrada em Jerusalém com os supostos ossos de Jesus.

A grande questão é que dentre todos os exemplos, o ossuário é convidativo para os protestantes, pois, vem de encontro com aquilo que nós católicos acreditamos, do contrário, penso que o dono desse artigo, teólogo do CACP, estaria do lado oposto. Infelizmente, essa não é a realidade.

Ainda sim, devemos levar em consideração que embora o ocidente cristão sempre tenha visto nos irmãos do Senhor, familiares e parentes próximos, o oriente que também crê na virgindade perpétua de Maria, vê nesses “irmãos”, filhos de um primeiro casamento de São José. O próprio proto-evangelho de Tiago que é um documento antiquíssimo que remonta aos primeiros séculos da Igreja, menciona que José ao ser incumbido da missão de casar com Maria, já era viúvo e tinha filhos de seu primeiro casamento (Proto-Evangelho Tg 9,1-3).

Isso é, se levarmos em consideração a lápide na caixa mortuária como verídica e olharmos para a tradição oriental que é digna de veneração e também aceita por nós, católicos, não teríamos qualquer problema em acreditar na possível paternidade do pai adotivo de Jesus em relação a seus “meios-irmãos”.

6 – Tiago é a forma grega do nome hebraico Taa’qob – Jacó. Alguns deles estão no Novo Testamento e muitas vezes se torna difícil identificá-los. Um deles é o filho de Zebedeu, irmão de João (Mateus 4.21). Os dois irmãos foram chamados por Jesus para fazerem parte de seu colégio apostólico (Mateus 10.2; Marcos 3.13; Lucas 6.14; Atos 1.13). Este Tiago foi degolado por Herodes Agripa I, em 44 d.C. (Atos 12.2). O outro Tiago é filho de Alfeu, também um dos doze apóstolos. é identificado como filho de Alfeu apenas quatro vezes em todo o Novo Testamento (Mateus 10.2; Marcos 3.18; Lucas 6.15; Atos 1.13). Seria ele o mesmo que é chamado de Tiago, o Menor, em Marcos 15.40? Até hoje ninguém deu de maneira concreta e decisiva a resposta final. Tanto uma resposta como outra pode estar correta. Aparece ainda um Tiago, pai ou irmão de Judas, pois o texto grego diz literalmente “Judas de Tiago” (Lucas 6.16; Atos 1.13).

Não é tarefa difícil identificar os “Tiagos” mencionados no novo testamento. Ainda que o interlocutor afirme o contrário, uma rápida análise dos evangelhos revela-nos com certa facilidade, tais nomes e ainda indica os “irmãos do Senhor” como membros de sua família, porém, sem qualquer relação filial com Maria Santíssima, mãe única de Jesus (Mc 6,3).

Vejamos quais são e quem são os “Tiagos”:

 – Tiago, filho de Zebedeu.

Apostolo e irmão de João, o “amado” (Jo 21,20). Sempre aparece nos relatos junto a Pedro (Mc 5,37); foi morto à espada por Herodes (At 12,2).

 – Tiago, filho de Alfeu

Assim como o “Tiago de Zebedeu”, Tiago, filho de Alfeu também fazia parte dos doze (Mt 10,3). De fato, seu nome aparece apenas quatro vezes no novo testamento, sendo que, sua última aparição com o título de “filho de Alfeu” é em At 1,13.

 – Tiago de “Judas”

Na lista colocada pelo evangelista São Lucas, o penúltimo apóstolo é mencionado como “Judas, filho de Tiago” (Lc 6,16). Não sabemos se esse Tiago de Judas é o filho de Alfeu, porém, em caso negativo, teríamos aqui, outro Tiago.

– Tiago o “menor” (irmão do Senhor)
Por fim, chegamos ao Tiago denominado menor que era o irmão do Senhor. Este, não foi apóstolo, uma vez que, não acreditou no Senhor (Jo 7,5). Só passou a seguir o Cristo após uma aparição do ressuscitado (1 Cor 15,4-7). Sabemos pela própria escritura que Maria, a mãe do Senhor, tinha também uma irmã chamada de Maria ou, talvez, sua cunhada (Jo 19,25). Essa irmã é a que aparece aos pés da Cruz sendo identificada pelos evangelistas como a mãe de “Tiago e Joset” (Mt 27,55-56 e Mc 15,40). Em outros relatos, ela aparece como a “outra Maria” (Mt 28,1), em outros somente como a mãe de Tiago (Mc 16,1 e Lc 24,10) ou em alguns como a mãe de Joset (Mc 15,47).

Além do testemunho bíblico que indica essa parenta da mãe do Cristo como mãe dos irmãos (primos) de Jesus, podemos identificar outra prova escriturística a respeito de “Joset”, também apresentado como irmão de Tiago.

No evangelho de Marcos está escrito: “Não é este o carpinteiro, o filho de Maria, irmão de Tiago, Joset, Judas e Simão”? (Mc 6,3).

Lendo o relato do mesmo evangelista no ato da crucificação, encontramos o seguinte texto: “E também estavam ali algumas mulheres olhando de longe. Entre elas, Maria de Magdala, Maria, mãe de Tiago, o menor, e de Joset e Salomé” (Mc 15,40-41).

No fim do mesmo capítulo, lemos: “Em seguida, rolou uma pedra, fechando a entrada do túmulo. Maria de Magdala e Maria, mãe de Joset, observaram onde ele fora posto” (Mc 15,47).

Observem que Marcos usa a variação de Joset para as três situações, isto é, embora em um primeiro momento os “irmãos do Senhor”, sejam colocados em companhia do Cristo, verificamos mais adiante que de fato, eles eram filhos da irmã (ou cunhada) de Maria Santíssima. Ao que tudo indica, São Marcos apropria-se do uso do nome para identificar que de fato esse Joset,  é filho da outra Maria.

E aos que possam criar objeções e alegar que o escritor poderia ter usado essa variação para qualquer homem com tal nome, teriam que responder a duas questões:

1 – Por que São Marcos, ao falar de “José de Arimatéia” no mesmo capítulo, não continua a usar a variação “Joset” e não a forma habitual “Iosef”? (veio José de Arimatéia, ilustre membro do conselho [Mc 15,43]);

2 – No novo testamento, temos um total de 8 (oito) pessoas chamadas José. O uso do nome “Joset” aparece somente nas três passagens indicadas acima (Mc 6,315,40-4115,47). Seriam essas indicações apenas coincidências ou a prova viva de que Jesus de fato, possuía primos?

Pois bem, as respostas já estão expostas nesse tópico!

7 – A Igreja Católica, que deveria pregar o nome de Jesus para mundo, está, no entanto, substituindo-o pelo de Maria. Ultimamente, até os filmes sobre a vida de Jesus estão eivados de mariolatria. Já não se fazem filmes como antigamente. O filme Maria, Mãe de Jesus, como também o filme Maria, Filha de Seu Filho, são uma apologia ao culto de Maria e à oração em seu nome. Isso é idolatria e como tal é condenada pela Bíblia (Lucas 11.27-28; João 2.4; 1 Timóteo 2.5). Esse último filme foi exibido no Brasil por uma rede de TV na mesma semana da descoberta desse ossuário.

Leiamos o que está escrito no parágrafo 161 do “Catecismo da Igreja Católica”:

É necessário, para obter esta salvação, crer em Jesus Cristo e naquele que o enviou para nossa salvação. Como, porém, sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11,6) e chegar ao consórcio dos seus filhos, ninguém jamais pode ser justificado sem ela, nem conseguir a vida eterna, se nela não permanecer até o fim (Mt 10,22; 24,13)”.

O desconhecimento e a falta de sabedoria, talvez, seja uma das maiores mazelas do protestantismo.

A Santa Igreja Católica anuncia o nome de Jesus Cristo a mais de dois mil anos. Além de ser a maior obra caritativa do mundo (mantém asilos, leprosários, orfanatos, hospitais), foi a responsável pela criação do sistema universitário durante a idade média, onde, difundiu o conhecimento por todos os continentes.

Nos últimos 20 séculos, a fé católica tem propagado a verdade, tem rezado por todos os povos e tem adorado em espírito e em verdade o Cristo que vive no meio de nós, através da sua presença viva na eucaristia. A Igreja passou por diversos problemas e sofreu muitos golpes de seus inimigos, sendo que, nenhuma instituição se manteria de pé se não estivesse firmada na verdade do Senhor. É o Espírito Santo que sopra como brisa suave e mantém intacta a mais antiga Igreja Cristã do mundo.

Mas, o problema continua sendo “Maria”. Aquela mulher (Gl 4,4) que nos trouxe o salvador, não é vista com bons olhos por muitos hereges, contrariando assim, as palavras do próprio evangelho: “Maria, então, disse: Minha alma engrandece o Senhor e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador, porque olhou para a humilhação de sua serva. Sim! Doravante as gerações todas me chamarão de bem-aventurada” (Lc 1,47-48).

Maria Santíssima não é um ser divino, ao contrário, é uma criatura. A esse respeito, São Luiz Maria Grignion de Montfort em seu livro “Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem”, faz a seguinte colocação:

Confesso com toda a Igreja que Maria é uma pura criatura saída das mãos do Altíssimo. Comparada, portanto, à majestade infinita ela é menos que um átomo, é antes, um nada, pois só Ele é ‘Aquele que é’” (Ex 3,14).

Entretanto, sabemos que Nossa Senhora, ao participar do projeto de salvação do Senhor todo poderoso, passou a não ser somente a Mãe de Deus (Lc 1,43) e sim, mãe da Igreja (Jo 19,26-27), logo, mãe de todos nós, cristãos.

A própria escritura ensina que devemos “honrar pai e mãe” (Ex 20,12) e que somos convidados a “lembrar-nos de nossos guias na fé” (Hb 13,7), sendo assim, como deixaríamos de venerar essa puríssima Mãe que contribuiu plenamente com o projeto de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo? Além de que, se o próprio Jesus, sendo o Verbo encarnado, manteve-se submisso aos cuidados de sua mãe por 30 (trinta) anos, por que nós, cristãos, não poderíamos? Idolatria é negar a verdade compartilhada pela Igreja.

Maria não é deusa, mas como criatura perfeita e imaculada moldada pelo próprio Pai, tornou-se pela graça, Mãe de toda a Igreja. Afinal, não é a própria bíblia que ensina que há duas descendências (serpente e mulher = Gn 3,15 e Ap 12,17)? Sendo assim, os que renegam sua maternidade, seguem os passos de Jesus Cristo?

Enfurecido por causa da Mulher, o dragão foi então guerrear contra o resto dos seus descendentes, os que observam os mandamentos de Deus e mantém o testemunho de Jesus”.

Maria não é adorada e sim venerada porque Ela é a “nova arca da aliança”:

– Na arca da antiga aliança, o próprio Deus se manifestou (Ex 25,22Nm 7,89). No ventre de Maria, o Deus vivo habitou (Mt 1,23;Jo 1,14);

– Na arca da antiga aliança, Deus habitava e demonstrava sua glória através de uma nuvem ou sombra (Ex 40,341 Rs 8,10Ex 10,3). Por sua vez, Maria foi tomada pela sombra do altíssimo (Lc 1,35) e o Verbo se fez carne (Mt 1,23);

– No velho testamento, a arca carregava a antiga aliança de Deus (Ex 25,16). Maria Santíssima carregou dentro si a nova aliança (Hb 12,24);

– Na arca da aliança, estava à vara de Arão (Nm 17,25Hb 9,4), símbolo do sacerdócio. Jesus, o grande sumo sacerdote, foi construído no ventre santo de Maria (Hb 4,14);

– A arca continha o maná, isto é, o pão descido dos céus para alimento dos hebreus (Ex 16,33). Maria, sacrário vivo, teve dentro de si, o próprio pão que desceu do céu para a nossa salvação (Jo 6,51), o verdadeiro e único maná que se da por nós (Jo 5,54).

Os judeus tinham muitos motivos para tratar a Arca da Aliança com respeito e veneração. Até das mãos dos Filisteus, eles acreditavam que Arca poderia livrá-los (1 Sm 4,3-7). Sendo Maria, a “nova arca”, somos convidados a declarar sua bem aventurança até a parusia do Cristo.

OBS: o filme a “Paixão de Cristo” de Mel Gibson é de orientação católica. Líder em bilheteria, o filme foi um dos mais aclamados relatos já feitos sobre o sofrimento de Nosso Senhor. O responsável pelos ataques a Mãe de Deus, deveria atualizar-se! Além de que, já está sendo trabalhada a continuação (http://pt.aleteia.org/2016/06/14/mel-gibson-prepara-sequencia-de-a-paixao-de-cristo/) e eu creio que muitos cristãos (católicos ou não) irão prestigiar a obra.

8 – A Igreja Católica pôs Maria no status divino. O livro As Glórias de Maria, publicado em mais de 80 línguas, e em português pela Editora Santuário, é de autoria de Afonso Maria de Liguori, canonizado pelo papa. Essa obra é a maior apologia ao culto de Maria. Afirma Liguori: “Nossa salvação será mais rápida, se chamarmos por Maria, do que se chamarmos por Jesus” (pág. 208). “A Santa Igreja ordena um culto peculiar à Maria” (pág. 130). “Muitas coisas… são pedidas a Deus, mas não são recebidas; são pedidas a Maria e são obtidas”, pois “Ela… é também Rainha do Inferno e Senhora dos Demônios” (págs. 123 e 127). Como ainda ousam dizer que são cristãos? Maria hoje rejeitaria essas honra e glória que os marianos lhe atribuem, mas que pertencem exclusivamente ao Senhor Jesus.

A obra “Glórias de Maria” é talvez, um dos mais belos escritos sobre a virgem santíssima. Elaborado por S. Afonso de Ligório, doutor da Igreja, o livro procura trazer ao leitor os benefícios que a intercessão da Mãe do Salvador pode conceder aqueles que solicitam seu patrocínio e seus rogos. É triste afirmar que grande parte dos protestantes, tem usado frases recortadas e até mesmo adulteradas, para assim, desmerecer a obra de Ligório, caso esse, não muito diferente do criador do texto aqui refutado. A Santa Igreja Católica, não colocou em Maria um status de divindade, entretanto, deu continuidade a uma antiga tradição já firmada pelo próprio judaísmo, onde, a Mãe do Rei, também era a Rainha de toda a nação.

Jesus Cristo é o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores (Mc 15,18Ap 19,16) e sendo ele, descendente da raiz de Davi (Mq 5,2Mt 1,1-3), fez-se cumprir a profecia e foi nEle que encontrou-se o tão esperado “Rei de Israel” e é nesse sentido que Nossa Senhora é chamada e aclamada como Rainha. Percebam que dos 15 (quinze) reis do reinado de Judá, em todos eles, os escritores bíblicos faziam questão de citar suas respectivas mães (1 Rs 14,22; 1 Rs 15,1; 1 Rs 15,10; 1 Rs 22,42; 2 Rs 8,26; 2 Rs 12,2; 2 Rs 14,2; 2 Rs 15,2; 2 Rs 15,33; 2 Rs 18,22 Rs 21,1; 2 Rs 22,1; 2 Rs 23,31; 2 Rs 23,36 2 Rs 24,18). Além de que, antes de todos esses monarcas, Salomão, homem cheio de sabedoria, venerava a sua própria mãe, a rainha Betsabéia:

1 Rs 2,19 – Betsabéia foi, pois, à presença do rei Salomão para lhe falar de Adonias e o rei se ergueu para ir ao seu encontro e se prostrou diante dela; depois sentou-se no trono e mandou colocar um assento para a mãe do rei e ela sentou-se à sua direita”.

Sendo assim, de forma justa e entendendo que o próprio Cristo, entregou sua própria Mãe para que pela graça, se tornasse mãe de todos nós (Jo 19,26-27), sabendo pela própria bíblia que Maria é a Mãe de Deus (Lc 1,43) e seguindo um de seus próprios pedidos pessoais manifestado no evangelho de São Lucas – “Todas as gerações me chamarão de bem-aventurada (Lc 1,48) – a Igreja Católica carinhosamente, venera a mãe do salvador com honra de Mãe (Ex 20,12Ef 6,2) e com títulos de Rainha (Ap 12,1).

E é sempre nesse sentido que Santo Afonso, interpreta a mariologia dentro de seu livro. De fato, a leitura pode parecer estranha aos olhos dos que não enxergam, porém, são palavras obrigatórias para todo o cristão. Para uma melhor compreensão da obra, dividi por tópicos as quatro frases colocadas pelo pastor e após as refutações, presentearei o leitor com muitas outras frases de Santo Ligório, onde, ele afirma diretamente a salvação de Jesus. É uma pena que tais informações, nem sempre sejam passadas as claras para que todos possam ver a verdade.

Para isso, utilizarei a versão do livro “Glórias de Maria” de número 11ª da edição italiana, editora Santuário.

8.1 – Afirma Liguori: “Nossa salvação será mais rápida, se chamarmos por Maria, do que se chamarmos por Jesus” (pág. 208). 

No próximo tópico (número 9), estarão expostas várias citações do CIC (Catecismo da Igreja Católica), onde, apresentamos várias afirmações sobre a salvação de Jesus Cristo, sua luz, sua paixão por todo o mundo e sua mediação entre Deus e os homens. A fé católica ensina diretamente que nossa salvação está no nome do Senhor Jesus (CIC 74) e que por nenhum outro, compete que sejamos entronizados ao paraíso celeste (CIC 161).

Sendo assim, analisemos a frase que consta no livro em sua totalidade, para assim, entendermos o teor da afirmação dessa grande doutor católico:

Pg 208 – “Isso motiva então as palavras de Eádmero ao afirmar que nossa salvação será mais rápida, se chamarmos por Maria, do que se chamarmos por Jesus. Pelo que Hugo de S. Vítor nos adverte que se os nossos pecados nos fazem ter medo de nos chegarmos para Deus, cuja Majestade infinita ultrajamos, não devemos recear de recorrer a Maria; pois, nada nela existe que inspire terror. É verdade que é santa, imaculada, rainha do mundo e Mãe Deus, mas é uma criatura e filha de Adão, como nós

Ao verificamos a frase, identificamos alguns pontos importantes:

1 – Não é Santo Afonso que afirma e sim, “Eádmero” e “Hugo de S. Vitor”;

2 – Através do texto completo, fica claro que a intenção de Santo Ligório é expor que nossas faltas e pecados são tão perniciosos que, seria um ultraje apresentar-nos perante a majestade divina e por esse motivo, indica a intercessão de Maria Santíssima, uma vez que ela, é uma criatura como nós e que como uma pura Mãe, roga a Jesus Cristo para que tenhamos o perdão e salvação eterna, mediante ao sangue puro do Redentor;

3 – A mariologia apresentada pelo santo nesse parágrafo, assemelha-se claramente as “Bodas de Caná da Galiléia”. O vinho havia acabado e a hora de Jesus ainda não havia chegado (Jo 2,4), porém, Maria intercede pelos noivos (Jo 2,3) e ainda que parecesse inoportuno qualquer sinal vindo do Cristo, o filho atende a solicitação da mãe (Jo 2,6-8).

4 – São Paulo ao escrever aos Romanos, diz: “E a vós, nações, eu digo: enquanto apóstolo das nações, eu honro o meu ministério, na esperança de provocar ciúme dos de meu sangue e de salvar alguns deles” (Rm 11,13-14). Paulo diz que tem esperança de causar ciúmes dos que fazem parte de seu sangue (judeus) e por consequência, salvar alguns deles. É claro que o apóstolo não é o responsável por salvá-los (só Cristo pode salvar-nos!), porém, ele pode produzir essa salvação mediante a sua participação na construção do Reino.

É dessa forma que esse trecho do livro de Santo Afonso deve ser interpretado: solicitamos a intercessão da Virgem Maria, para que assim, não nos percamos e possamos dignamente alcançar a salvação vinda da Cruz!

2 Cor 1,11 – “Vós colaborareis para tanto mediante a vossa prece; assim, a graça que obteremos pela intercessão de muitas pessoas suscitará a ação de graças de muitos em nosso favor”.

8.2 – “A Santa Igreja ordena um culto peculiar à Maria” (pág. 130).

Vejamos o texto original que se encontra na página 113 (não 130 – percebe-se ai, o quão profundo foi o interlocutor em olhar a obra):

Pg 113 – “A Santa Igreja bem a nós, seus filhos, ensina com quanto zelo e quanta confiança devemos recorrer sem cessar a esta nossa amorosa protetora. Pois, é ordem sua que lhe tribute um culto particular”.

 O culto peculiar ao qual Santo Afonso diz é o que é ensinado pela Igreja no que implica a “veneração” não só de Maria Ss., mas também dos Santos e Santas de Deus.

O único que é digno de ser adorado é o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, tanto que, o ápice da adoração que vive no coração de toda Igreja, está centrada no mistério eucarístico, onde, o Cristo se faz presente nas espécies do pão e vinho (Jo 6,55-56Lc 22,19-201 Cor 10,16; 1 Cor 11,27-30) . O sacrifício eucarístico consiste na profunda adoração feita a Deus e é especificamente nesse ponto que se difere o entendimento católico e protestante: Para eles, cantar uma música ou solicitar a intercessão é caracterizado como adoração, porém, para nós católicos, o culto de “latria” está ligado ao sacrifício do Cristo. Não há sacrifico eucarístico por meio de Maria ou dos Santos.

Maria Santíssima é venerada com especial devoção por toda a Igreja e isso, não é um fato isolado de época e sim, algo que vem desde o seio primitivo da fé. Assim como os judeus veneravam a antiga Arca da Aliança, a mãe do Senhor é venerada por nós como o sinal vivo da “Nova Arca da Aliança”.

A bíblia atesta diferenças entre as ações de adoração a Deus e o louvor que é dirigido a outras pessoas. No livro de Juízes, Débora é exultada como a “Mãe de Israel” (Jz 5,7), em 1 Crônicas, lemos que toda a Israel dançava perante a Arca e faziam aclamações (1 Cr 15,27-28), já em 2 Crônicas, o profeta Jeremias compõe uma lamentação para o Rei Josias que já havia morrido (2 Cr 35,25). Daniel por sua vez, mostrou ousadia ao atribuir honra e glória ao rei Nabucodonosor (Dn 2,37).

Todos esses casos, retratam certa espécie de culto, uma vez que, a definição da palavra pode representar o significado não apenas de homenagem, mas também de paixão ou amor externo por alguém. Sendo assim, o culto peculiar a Virgem, tão incentivado pela Igreja tem caráter venerativo. Até porque, nós veneramos Maria por conta de sua relação com Jesus Cristo, nosso Senhor. A mãe só é honrada, porque o filho a honrou e nunca separadamente. O fundamente mariológico sempre está ligado com o fim último que é Jesus Cristo.

8.3 – “Muitas coisas… são pedidas a Deus, mas não são recebidas; são pedidas a Maria e são obtidas” (pág. 123)

Vamos ao texto completo e sem recortes (outro trecho onde nem a própria página correta foi respeitada):

Pg 118 – “Muitas coisas se pedem a Deus, e não se alcançam. Pedem-se a Maria, e conseguem-se. Como pode ser isso? Responde Nicéforo que isto acontece, não porque Maria seja mais poderosa que Deus, mas porque Deus determinou honrar assim sua Mãe”.

Propositalmente, o fragmento recortado (ou copiado de algum site, quem o sabe?) do famigerado pastor, é colocado com o pretexto de passar aos leitores que Santo Afonso estava ali, concedendo poderes a Maria Santíssima, porém, com o texto completo, é possível perceber que o grande doutor da Igreja não está dizendo que a mãe do salvador tenha mais poderes que o próprio Deus e sim, afirmando que a forma com que nosso Senhor honra a Maria, por ter sido Ela a mãe do Verbo encarnado, é atendendo a todas as suas intercessões que são carinhosamente dirigidas ao seu filho em favor de todos os cristãos.

Como já mencionado nesse artigo, o fim último de toda a devoção é o próprio Deus, sendo assim, o fundamento final de todas as respostas de orações, ainda que passem pelas mãos imaculadas de Maria Santíssima, tem como origem a própria Trindade Santa.

8.4 – “Ela… é também Rainha do Inferno e Senhora dos Demônios” (pg  127).

Encontramos nesta pagina a seguinte citação:

Pg 123 – “Ela é também a Rainha do Inferno e senhora dos demônios, pois que os subjulga e doma, diz S. Bernardino de Sena. Daí vem ser Maria chamada de terrível como um exército de batalha (Ct 6,4)”.

Maria foi à primeira cristã. Uma vez que ela aceitou a missão de conceber o Verbo de Deus e de nutrir a Jesus durante 30 (trinta) anos, podemos afirmar que ela não só subjulgou o demônio como o domou, afinal, satanás foi derrotado na Cruz e Jesus só veio ao mundo por intermédio do ventre santo de Maria.

Ap 12,17a – “Enfurecido por causa da Mulher, o dragão [antiga serpente] foi então guerrear contra o resto dos seus descendentes (…)”.

Também lemos em Apocalipse que aqueles que pertencem a Deus, são sacerdotes do altíssimo e reinarão com Ele (Ap 5,10 e Ap 20,6). Sendo Maria, a “Rainha Mãe”, eleita para carregar em seu ventre o verdadeiro Rei de Israel e sabendo que ela já participa da glória celeste e sendo honrada com o poderio de intercessão para com os filhos de Altíssimo, não há porque encontrar qualquer incoerência na frase de São Bernardino (sim, a frase não é de Santo Afonso e foi apenas citada por ele em seu livro).

Sendo assim, é por isso que essa boa Mãe é chamada de “co-redentora”: Maria participa do projeto de salvação do Pai concedendo ao mundo o seu “sim” e por consequência, derrotando o mal.

8.5 – Frases de Santo Afonso de Ligório que não são informadas pelo pastor. 

Assim como prometi, estarei colocando nesse artigo, algumas frases do livro de Santo Afonso para apreciação dos leitores. Normalmente, quando Santo Ligório é citado por protestantes e de mais pessoas contrárias à fé, copiam frases de outros sites, recortam ou adulteram o contexto correto para passar uma impressão incorreta da obra. O livro é sobre as glórias de Maria, certo? Mas, será que Jesus Cristo, nosso Senhor, é citado pelo doutor?

Leiam por si só, aquilo que nunca é mencionado:

Pg 35 – “Por conseguinte, estão sujeitos ao domínio de Maria os anjos, os homens e todas as coisas do céu e da terra, porque tudo está também sujeito ao império de Deus”.

Pg 45 – “O pecado, quando privou a nossa alma da divina graça, a privou também da vida. Estávamos, pois, miseravelmente mortos, quando veio Jesus, nosso Redentor, com excessiva misericórdia e amor, restituir-nos a vida pela sua morte na cruz. Ele mesmo declarou: Eu vim para elas (as ovelhas) terem a vida, e para a terem em maior abundância (Jo 10,10)”.

Pg 45 – “<Em maior abundância>, porque, dizem os teólogos, Jesus Cristo com a redenção trouxe-nos maior bem, do que Adão mal nos causou com seu pecado. Assim, reconciliando-nos com Deus, se fez Pai das almas da nova Lei da graça como já estava profetizado por Isaías ao chamá-lo de <Pai do futuro e príncipe da paz (Is 9,6)>”.

Pg 56 – “Maria não quis dizer nem uma só palavra a favor do Filho, para não impedir a sua morte, da qual dependia a nossa salvação”.

Pg 57 – “O Filho não veio a terra senão para salvar-nos, como Ele mesmo protestou: <Eu vim salvar o que tinha perecido (Lc 19,10)>. E para salvar-nos despendeu até a própria vida, fez-se obediente até a morte na cruz”.

Pg 72 – “Apadrinhando-me com Santo Anselmo, ouso dizer a voz e a vosso divino Filho: Ou apiedai-vos de mim, dulcíssimo Redentor meu, perdoando-me”.

Pg 104 – “Depois que Deus criou a terra, criou também dois luzeiros. Um maior, isto é, o sol, para que alumiasse de dia, outro menor, isto é, a luz, para que brilhasse à noite (Gn 1,16). O sol, diz o Cardeal Hugo, é figura de Jesus Cristo, de cuja luz goza, os justos que vivem no dia da divina graça”.

Pg 120 – “Minha mãe, se devo ter a graça de não poder amar no outro mundo a meu Senhor, cuja amabilidade eu reconheço, obtende-me ao menos a graça de amá-lo neste mundo com todas as minhas forças” – Testemunho de São Francisco de Sales.

Pg 130 – “Que seja Jesus Cristo único Mediador de justiça e reconciliar-nos com Deus, pelos seus merecimentos, quem o nega?”.

Pg 133 – “Nós confessamos que Deus é a fonte de todos os bens e o Senhor absoluto de todas graças. Confessamos também que Maria não é mais que uma pura criatura e que, quando obtém, tudo recebe de Deus gratuitamente. Mais que todas as outras, esta sublime criatura na terra também o honrou e amou, sendo ela escolhida para Mãe de seu Filho, o Salvador do mundo”.

Pg 134 – “Não há dúvida, confessamos que Jesus Cristo é o único medianeiro de justiça, porque seus méritos nos obtêm a graça e a salvação”.

Pg 151 – “É verdade, sentado agora à direita de Deus Pai, no céu, reina Jesus e tem supremo domínio sobre todas as criaturas e também sobre Maria”.

Pg 163 – “Foi para dispersar-nos todas as misericórdias possíveis, afirma S. Bernardo, que o eterno Pai, além de Jesus Cristo, nosso principal advogado (…). Não há dúvida, Jesus é o único medianeiro de justiça entre Deus e os homens, o único que em virtude dos próprios méritos nos pode obter graça e perdão, e de acordo com suas promessas também o quer”.

Pg 167 – “Mas, o que deve fazer um pecador que tem a desventura de viver presentemente na inimizade de Deus? Precisa encontrar um medianeiro que lhe obtenha o perdão e o faça recuperar a perdida amizade com Deus. Como medianeiro deu-te o próprio Senhor seu Filho, Jesus Cristo, que pode atender a teus desejos. Que coisa haverá que um tal filho não consiga junto ao Pai? Mas, ó meu Deus, por que aos homens parece tão severo esse misericordioso Salvador, que, enfim, por salvá-los deu a sua vida? Assim pergunta o Santo. Por que julgam terrível quem é tão amável? Que temeis, pecadores sem confiança? Ofendeste a Deus, é verdade, mas sabeis que Jesus pregou à cruz vossos pecados, com suas próprias mãos que os cravos transpassaram. Assim purificou nossas almas e satisfez com morte divina justiça”.

Eis aqui, algumas das frases do livro as “Glórias de Maria”!

Aqui fica a pergunta, caros irmãos: o que é mais fácil, denegrir um livro escrito por um doutor da Igreja, sem qualquer conhecimento ou lê-lo e compreender qual é o ensino transmitido?

Ao que parece, muitos escolhem a primeira opção.

9 – A Bíblia ensina que somente Jesus salva. Ele mesmo disse: “Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14.6).“Em nome de Jesus Cristo (…) e em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome foi dado aos homens, pelo qual nós devamos ser salvos” (Atos 3.6 e 4.12).

Seria desnecessário dizer que a “bíblia” nasceu na Igreja Católica, afinal, foi através de concílios como Hipona, Cartago III e IV, Éfeso, Trullo, Nicéia II, Constantinopla IV, Laterano, Florença e Trento que o cânon tem sua formação.

Isto é, se “a bíblia ensina” é porque de fato, a fé católica não só compartilha como afirma.

Nos últimos dois mil, a Igreja ensinou e continuará ensinando que o único caminho para a salvação é Cristo Jesus. O próprio “Catecismo da Igreja Católica” já refuta todos os sofismas do interlocutor:

Jesus Cristo deve ser anunciado em todos os povos.

CIC 74 – “Deus quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade (I Tm 2,4), isto é, de Jesus Cristo. É preciso, pois, que Cristo seja anunciado a todos os povos e a todos os homens, e que dessa forma a Revelação chegue até as extremidades do mundo”.

Jesus Cristo é o centro de toda a liturgia.

CIC 662 – “Como sumo sacerdote dos bens vindouros (Hb 9,11), ele (Jesus) é o centro e o ator principal da liturgia que honra o Pai nos céus”.

Jesus Cristo é a cabeça da Igreja.

CIC 782 – “Este povo tem por Chefe (Cabeça) Jesus Cristo”.

Jesus é a verdade e a luz.

CIC 2466 – “Em Jesus Cristo, a verdade de Deus se manifesta plenamente. “Cheio de graça e verdade”, Ele é a luz do mundo”.

Jesus é o único mediador.

CIC 2593 – “A oração de Moisés responde a iniciativa do Deus vivo para a salvação do seu povo, prefigura a oração de intercessão do único mediador, Jesus Cristo”.

A fé para crer no Cristo.

CIC 161 – “É necessário, para obter esta salvação, crer em Jesus Cristo e naquele que o enviou para nossa salvação. Como, porém, sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11,6) e chegar ao consórcio dos seus filhos, ninguém jamais pode ser justificado sem ela, nem conseguir a vida eterna, se nela não permanecer até o fim (Mt 10,22; 24,13)”.

Não há dúvidas que Jesus Cristo está no centro de todo ano litúrgico da Igreja!

10 – A Igreja Ortodoxa mantém um argumento, proveniente do terceiro século, que José era viúvo antes de se casar com Maria e trouxe filhos do seu primeiro casamento. Logo, esses irmãos de Jesus seriam enteados de Maria. Seu principal argumento em defesa dessa tese é a crença, tanto dos católicos ortodoxos como também dos católicos romanos, da perpétua virgindade de Maria.


Não só a Igreja Ortodoxa, como também a Igreja Católica, aceita o argumento de que São José poderia ter tido filhos de um casamento anterior, sendo assim, o pai adotivo do Cristo seria o guardião de “Nossa Senhora”.

O proto-evangelho de Tiago é uma das provas que afirma essa tradição (vide tópico n°5 [Prot0-Evangelho Tg 9,1-3]).

Dessa forma, a escrita na caixa mortuária não tem qualquer impacto sobre a crença na virgindade perpétua de Maria Santíssima.

11 – É verdade que Jesus nasceu de uma virgem e que foi concebido pelo Espírito Santo no ventre de Maria (Mateus 1.18,20,23; Lucas 1.34-35), mas também o é que, depois do nascimento de Jesus, Maria teve mais filhos. A Bíblia diz que José “não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe o nome de Jesus” (Mateus 1.25). Ela se manteve virgem “até”, é o que diz o texto sagrado.

O “Dicionário de Mariologia”, editora Paulus, página 1326, através do verbete “virgem”, nos traz o seguinte texto:

Mt 1,25 soa literalmente assim: <E ele [José] não a conhecia, enquanto não (éos oû) deu à luz um filho>. Seria de concluir que, depois do nascimento de Jesus, José tenha consumado o matrimônio com Maria que, por conseguinte, teria tido outra prole. Krämer levanta a hipótese de que a partícula conjuntiva grega éos oû de Mt 1,25 corresponde à aramaica ‘ad di, que pode significar eis que, como por exemplo em Dn 2,34; 6,25; 7,4 e no Talmud hierosolimitano Berakot 14b: <Rabino akiba ainda não havia ultimado o Shema, e eis que [‘ad di] morreu>. Poderemos, portanto, traduzir Mt 1,25 da maneira seguinte: <E, mesmo sem havê-la conhecido, eis que (até que) ela deu à luz um filho”.

Uma das grandes bases argumentativas do protestantismo na tentativa de afirmar que Maria tivesse tido relações carnais com José, é a passagem onde São Mateus coloca a partícula “Até que” no capítulo 1, verso 25. Entretanto, após o nascimento de Jesus, a passagem em si não supõe, nem implica que houvesse qualquer contato por parte dos dois. O texto acima, tirado do dicionário de mariologia da editora paulus, transmite uma verdadeira exegese do texto bíblico, diferente do interlocutor do texto aqui refutado, onde ele, o faz de forma pobre e com uma grande dose de sofismo.

Ainda sim, para não recorrermos exclusivamente à citação aqui mencionada na ideia da refutação, passaremos aqui, alguns versos bíblicos que estão carregados do uso do “até que” ou “enquanto não”, sem que isso possa implicar em uma interpretação posterior ao texto, isto é, confirmando a ação passada sem que indicasse um ato no futuro.

Vejamos algumas referências:

Gn 28,15 – “Eu estou contigo e te guardarei em todo lugar aonde fores, e te conduzirei a esta terra, porque não te abandonarei enquanto não tiver realizado o que te prometi”.

Nota: Se tivéssemos que levar em consideração a interpretação do texto concedida pelo pastor, teríamos que acreditar que o Senhor estaria com Jacó somente até o cumprimento das promessas, porém, sabemos que Deus continuou a proteger a Jacó, ainda que as promessas tenham sido cumpridas.

2 Sm 6,23 – “E Micol, filha de Saul, não teve filhos até o dia da sua morte”.

Nota: Seria um absurdo pensar que após a morte de Micol, ela pudesse gerar filhos. Nesse verso, vemos claramente que a partícula “até” apenas indica uma ação ocorrida no passado (a filha de Saul não teve filhos) e não algo que ocorreria no futuro. Faça o seguinte exercício: Compare Mt 1,25 com 2 Sm 6,23 e observe se há algum sentindo em acreditar que Maria tivesse tido filhos após o nascimento de Jesus.

Sl 110,1 – “Oráculo de Iahweh ao meu Senhor: Senta-te à minha direita até que eu ponha teus inimigos como escabelo de teus pés”.

Nota: Será que após a vitória do Rei sobre seus inimigos, ele não poderá sentar-se ao lado do Senhor? Claro que não! Ele continuará sentado à direita de Iahweh, mesmo que seus inimigos já tenham sido dissipados.

Mt 28,20 – E ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei. E eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.

Nota: Cristo deixou-nos uma promessa e será que ela só seria valida até a consumação dos séculos? Nada mais, além disso? De forma alguma! Jesus continuará conosco e seu reino não terá fim!

A conclusão não se torna árdua, mediante as provas apresentadas. Usar o “até” da passagem de Mt 1,25 para indicar uma ação posterior, só demonstra a fragilidade do argumento do acusador.

OBS: Lembrando que João Calvino em seu “Sermão sobre Mateus 1,22-25, 1562”, já havia refutado tal alegação (tópico número 2).

12 – E Jesus é o seu “primogênito”. Isso é confirmado na passagem paralela de Lucas 2.7. Logo, outros filhos vieram em seguida, e isso não diminui Maria em nada, pois a Bíblia considerada honrada uma mulher casada ser mãe de filhos.

Outra falha de interpretação. O pastor comete um erro grotesco ao interpretar “primogenitura” como o “primeiro filho”.

Como já escrito no artigo “Virgindade de Maria Santíssima”, o uso do termo primogênito, pode implicar tanto na criação de um único filho, como de fato, o primeiro entre outros irmãos, porém, no caso de Maria Santíssima, o uso da palavra pelo evangelista São Mateus, foi feita de forma corriqueira, isto é, o termo não está sugerindo que Maria tivesse tido outros filhos e sim:

1 – Atestando o nascimento de Jesus como herdeiro daquela que é cheia de graça;

2 – Indicando o cumprimento da lei mosaica, onde, o “primogênito” deveria ser consagrado/resgatado a Deus (Ex 34,19Nm 18,15-16).

Basta olhar as próprias escrituras para assim, entender o teor do argumento. De todos os 73 livros que a bíblia possui, raríssimas são às vezes em que a palavra “unigênito” é colocada para indicar um único filho. O uso, por exemplo, pode ser visto em Gn 22,12 ou em Jo 3,16. Já na passagem de Zc 12,10, o filho unigênito é também chamado de primogênito:

Derramarei sobre à casa de Davi e sobre todo o habitante de Jerusalém um espírito de graça e de súplica, e eles olharão para mim a respeito daqueles que eles transpassaram, eles o lamentarão como se fosse a lamentação por um filho único; eles o chorarão como se chora sobre o primogênito”.

O paralelismo usado pelo escritor no livro de Zacarias, indica a definição muito usada pela literatura hebraica em relação ao termo primogênito, uma vez que, ele pode ser tanto usado para uma, como para mais crianças. De qualquer forma, a totalidade de vezes em que os escritores bíblicos mencionam um único filho ou uma prole, sempre recai para o uso de primogênito.

O “Dicionário de Mariologia”, editora Paulus, página 1327, através do verbete “virgem”, revela-nos uma importante informação:

Nas antiguidades bíblicas do peseudo-Fílon (séc. I d.C.) a filha de Jefté é chamada tanto de primogênita quanto de unigênita (39,11). E um epitáfio sepulcral, datado de 28 de janeiro de 5 a.C., descoberto em 1922 na necrópole judaica de Tell El Yehudieh, faz a jovem defunta (Arsinoe) dizer: <Mas a sorte, nas dores de parto do meu filho primogênito, me levou ao termo da vida>. Embora está jovem mãe tenha morrido no primeiro parto, o seu filho é chamado igualmente de primogênito”.

Como forma de conclusão, encontramos no livro do Ex 13,2, o porquê há o uso corrente da palavra primogênito para o único filho:

Consagra-me todo primogênito, todo o que abre o útero materno, entre os filhos de Israel. Homem ou animal serão meus”.

Isto é, aquele que abre o útero é o destacado com a primogenitura, seja ele o primeiro ou o único.

Em Ex 12,29 lemos que o “Senhor feriu todos os primogênitos da terra do Egito, desde o primogênito do Faraó”, sendo assim, no contexto aplicado a essa passagem, todos os primogênitos, não seriam necessariamente o primeiro, mas também, o único filho. Não há indícios de que o Faraó possuísse outras crianças, entretanto, seu único filho também é chamado de primogênito.

Além de que, de acordo com o apóstolo São Paulo; “A mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor, a fim de serem santas de corpo e de espírito” (1 Cor 7,34).

A virgindade é algo agradável aos olhos de Deus e Maria, como a primeira cristã, cumpriu de forma bela a vontade do Senhor. Filhos são bênçãos vindas do altíssimo, entretanto, pensem: Se Nossa Senhora, ao dar a luz ao próprio Verbo de Deus, cumpriu plenamente a vocação de sua maternidade e alcançou o ápice da alegria, existiria algum motivo em desejar outras crianças?

Maria não precisaria sentir-se realizada com outros filhos, uma vez que, ela gerou o próprio Deus e encerrou-se nEle (Lc 1,38).

13 – Jerônimo, no século quarto, propôs que a palavra irmão significa parentesco próximo. “primo”, por exemplo. Mas não é isso que o Novo Testamento revela. Os Evangelhos mostram de maneira simples e natural a família de Jesus: “Não é este o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, e de José, e de Judas, e de Simão? E não estão aqui conosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele” (Marcos 6.3). Não é natural interpretar essa expressão dos moradores de Nazaré a respeito de Jesus e sua família de outra maneira.

São Jerônimo não propôs e sim, inspirado pelo Santo Espírito, escreveu um “tratado contra Helvídio” onde, refuta todas as acusações contra a dignidade da Santíssima Virgem. Para quem se interessar na leitura, segue o link:

http://www.ecclesia.com.br/biblioteca/pais_da_igreja/a_virgindade_perpetua_de_maria.html

Em relação aos irmãos de Jesus, como já exposto nos demais tópicos, tratavam-se de parentes próximos ou talvez, filhos de um antigo casamento de São José. A grande proximidade de todos eles nos cenários em que Maria e Jesus aparecem, deve-se ao fato da estrutura familiar da época, onde, era comum que tios, tias, primos, primas e irmãos vivessem se não juntos, próximos. Jacó ao dirigir-se ao Egito, está acompanhando de todos os seus filhos, junto de netos e noras (Total de 66 pessoas [sem contar as mulheres de seus filhosGn 46,8-26).

É importante salientar que a presença de Maria Santíssima, sempre acompanhada de seus familiares, é uma consequência lógica da não presença de seu marido. Muito provavelmente, José já havia morrido (ou estava acamado) quando Jesus iniciou sua pregação pública.

Fato esse que difere em um dos poucos relatos da infância do Cristo, onde, ao subir para a festa da páscoa em Jerusalém, a sagrada família (Jesus, Maria e José) fazia-se reunida (Lc 2,41-42).

14 – Há ainda outras passagens nos Evangelhos mencionando os irmãos de Jesus (Mateus 12.46-50; 13.54-56; Marcos 3.31-35; Lucas 8.19-21). A palavra grega para primo é anepsios, que aparece em Colossenses 4.10, na versão Almeida Revista e Atualizada -“primo de Barnabé” – e também nas versões NVI, Brasileira, e Almeida Revisada.

De fato, São Paulo em sua carta aos Colossenses emprega o uso de ανεψιός (anepsiós) para designar Marcos, como primo de Barnabé, porém, em relação a esse uso, podemos refutar tal argumentação com apenas quatro tópicos:

1 – Em toda a literatura neo-testamentária, há um único uso dessa palavra, sendo que é a da epístola dirigida aos Colossos. Dessa forma, observamos que não há qualquer outro uso para os demais livros. Se há primos ou irmãos, o termo corrente sempre é αδελφός (adelphos).

2 – Os evangelhos foram escritos em um ambiente semita e por esse motivo, os escritores mantiveram o uso habitual de um termo que correspondesse adequadamente à língua falada na época do Senhor: o aramaico/hebraico. Tanto o hebraico, quanto o aramaico, não possuíam palavras que definissem graus de parentesco, sendo assim, “AHA” (aramaico), “AH” (hebraico) estão em plena conformidade com “adelphos” (grego).

3 – Se por um lado os evangelhos mantiveram os escritos adequados ao ambiente semita, São Paulo o apóstolo, ao escrever suas epístolas, dirigia-se a pessoas que viviam em um ambiente “grego-romano” e por esse motivo, poderia adequadamente usar uma palavra que se adequasse ao entendimento dos receptores. Se assim não fosse, encontraríamos “anepsiós” (primo) nos evangelhos, epístolas católicas (Tiago, João, Pedro, Judas) e até mesmo em outras cartas paulinas, porém, o único uso desse termo está limitado a Cl 4,10. Sendo assim, como afirmar algo que está restrito a um único verso da escritura?

4 – A septuaginta (versão dos Setenta) conhecia tanto o grego, quanto o hebraico e ainda sim, ao fazer traduções de parentescos mais largas (primos, por exemplo), usou o termo “adelphos”. Basta verificar as traduções do livro de Tobias. Devido a sua aparência muito similar com a de seu pai, Tobias é confundido por Raguel (parente de Tobit, pai de Tobias) e inicialmente é chamado de primo (Tb 7,2) e logo após de irmão (Tb 7,4). Nesses dois casos, as traduções se cruzam e as palavras transmitem o mesmo significado: parentesco. Seja Tobit primo ou irmão de Raguel, pouco importa, o que deve ser levado em consideração é o uso amplo do termo.

É muito claro afirmar que a conservação do termo grego que se assemelhasse ao original semítico (αδελφός) deve-se ao fato de que os “irmãos do Senhor” (seus parentes do sexo masculino), representavam um grupo distinto dos demais apóstolos e como já mencionado nos tópicos anteriores, todos eles gozavam de uma reputação especial (At 1,141 Cor 9,5).

Sendo assim, o uso de “anepsiós” em uma única passagem dos 27 livros do novo testamento, não tem qualquer cunho obrigatório para os demais textos. 

15 – A descoberta do ossuário de “Tiago, irmão de Jesus, filho de José” confirma a veracidade histórica do Novo Testamento, a mensagem que pregamos e que deixa cada vez mais os católicos em dificuldades.

O artigo aqui exposto demonstra a veracidade do argumento católico. A única dificuldade está no interlocutor, uma vez que ele, renega uma verdade de fé afirmada e defendida a dois mil anos. Negar a virgindade perpétua de Maria nada mais é que assumir atitude contrária ao cristianismo e colocar-se contra o próprio Jesus que habitou nove meses em um ventre santo e sem mácula.

Lembre-se que pessoas contrárias à fé cristã, são os primeiros a levantar-se contra o Senhorio do Cristo, sua ressurreição, sua salvação e seu nascimento virginal.  Compactuar com informações que desmerecem a Mãe de Deus, apenas fortalecerão a mídia secular que procura a cada dia, destruir a Igreja.

Repousemos na verdade que vive através da fé católica!

O corpo de Virgem é uma terra que Deus trabalhou, as primícias da massa adamítica divinizada em Cristo, a imagem verdadeiramente semelhante à beleza primitiva, o barro amassado pelas mãos do Artista divino” (André de Creta / Sermão da Dormição de Maria 1).

Escrito por: Érick Augusto Gomes



Categorias:Mariologia

2 respostas

  1. DESMASCARANDO PAULO CRISTIANO DO CACP E SEUS ATAQUES CONTRA SÃO LUCAS E CONTRA SÃO PAULO

    Paulo Cristiano escreveu um artigo repulsivo, onde pretendeu atribuir a São Lucas e a São Paulo o ensino herético do Sola Scriptura.
    Seus esforços em distorcer as Escrituras refletem o desespero de alguém que não consegue viver pela doutrina que pretende impor aos demais.
    Sobre São Paulo, Paulo Cristiano diz: “Gostaríamos de alistar aqui quatro textos que formam uma unidade contextual e prova que Paulo ensinava a necessidade das Escrituras ao invés de seguir as tradições humanas, são eles Mt 16:18 + I Cor 1:10-13 + I Cor 3:5-17 + I Cor 4:6.”
    Disponível em 23/10/2015 – http://www.cacp.org.br/paulo-lucas-e-sola-scriptura/

    Paulo Cristiano afirma que os textos fornecidos sugerem “uma unidade contextual” e “prova” que Paulo ensinava a necessidade das Escrituras, ao invés de seguir tradições humanas.
    Como desmascarar as distorções de Paulo Cristiano ?

    Primeiro ponto:

    Paulo Cristiano cria o conceito de “unidade contextual” para justificar a doutrina que pretender impor aos demais.
    Todavia, não usa a mesma “unidade contextual” quando quer se esquivar da doutrina que deveria praticar.
    Por exemplo: No próprio texto que escreveu ele ignora o contexto para justificar sua rebeldia contra o Papa.

    Ele citou: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;” [Mt 16:18]
    E Paulo Cristiano parou por aí.
    Não interessou a Paulo Cristiano prosseguir e eventualmente se auto condenar na dita “unidade contextual” que inventou para impor doutrinas humanas aos demais, senão vejamos:

    Depois de ter dito a Pedro “…tu és Pedro”, conforme visto acima, Jesus também disse a Pedro:
    Apascenta minhas ovelhas. João 21, 15-17
    Confirma teus irmãos na fé. Lucas 22, 32
    A ti darei as chaves do céu. Mateus 16, 19

    Deste contexto, seguramente Paulo Cristiano não gosta.
    O contexto sugere, sem sombra de dúvida, a autoridade de Pedro sobre os demais apóstolos.
    Mas o truque de Paulo Cristiano não passou desapercebido.

    Segundo ponto:

    Paulo Cristiano diz que São Paulo ensinava a necessidade das Escrituras, ao invés de seguir tradições humanas.
    Ora, a Igreja Católica também ensina que as Escrituras são superiores às tradições humanas.
    E Paulo Cristiano sabe disso.
    O que Paulo Cristiano tentou fazer foi confundir tradição apostólica com tradição humana.
    Uma aparente “pequena” distorção que causa enorme confusão doutrinária.
    E não por acaso, Paulo Cristiano omitiu o texto que condenaria seu ardil:
    “Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.” 2 Tessalonicenses 2:15

    Terceiro ponto:

    Paulo Cristiano repete a tática e cita: “3. “11 Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.” [1Cor 3.11]”
    Paulo Cristiano tenta sugerir um contexto onde Jesus Cristo teria instruído a suficiência da Escrituras.
    Como se a transmissão oral fosse no caso outro fundamento que ultrapassaria os ensinos do Senhor Jesus.
    Mais uma vez Paulo Cristiano citou apenas um texto fora do contexto que lhe interessava.
    Ele não citou: “Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém.” João 21:25

    O texto em questão está ensinando que o próprio Jesus disse e fez muitas outras coisas, as quais não foram escritas.
    Mas o texto não diz que estas coisas que Jesus disse ou fez não foram transmitidas.
    Por certo foram transmitidas, pois como sabemos Jesus Cristo não fez e nem disse nada que não devesse ser aproveitado.
    Ademais, o próprio Jesus não mandou pregar a Bíblia. Jesus mandou anunciar o evangelho: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.”Marcos 16:15

    A parte final do texto de Paulo Cristiano sobre São Paulo é patética.

    Paulo Cristiano faz um esforço colossal para empurrar goela abaixo doutrina que não encontra amparo na Bíblia e que não convenceria o mais humilde e menos letrado dos filhos de Deus.
    Paulo Cristiano picota textos e versículos e junta os pedaços, com o objetivo de criar uma fábula, onde ele “magistralmente” conclui:
    “Jesus disse, “sobre esta pedra edificarei a Minha igreja” e Paulo recomendou ao edifício que é a igreja a não exceder as Escrituras.”
    Paulo Cristiano atribui a Jesus e a São Paulo doutrinas que eles nunca ensinaram.
    E curiosamente, Paulo Cristiano constrói sua doutrina pessoal com palavras soltas e pequenos trechos de contextos que lhe condenam.

    Sobre São Lucas, Paulo Cristiano se superou.

    Paulo Cristiano tentou usar a seu favor um texto que condena exatamente a falsa ideia que ele pretende ensinar.
    Vejamos:
    Paulo Cristiano diz, por exemplo: “…se a tradição oral pudesse por si mesma transmitir a certeza das coisas, não haveria necessidade de Lucas colocar em forma escrita o evangelho!”

    Mas o esquecido Paulo Cristiano desconsiderou o que ensina o próprio texto que ele citou:
    “Visto que muitos têm empreendido fazer uma narração coordenada dos fatos que entre nós se realizaram, segundo no-los transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculares e ministros da palavra, também a mim, depois de haver investido tudo cuidadosamente desde o começo, pareceu-me bem, ó excelentíssimo Teófilo, escrever-te uma narração em ordem. Para que tenhas plena certeza das coisas em que foste ensinado.” [Lucas 1.1-4]

    O texto bíblico diz que foram escritos tudo aquilo que antes havia sido transmitido oralmente. “…segundo no-los transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculare…”

    Exatamente o que foi escrito é o que foi transmitido de forma oral.
    Qual é a confusão produzida por Paulo Cristiano ?
    O que ocorre é que para Paulo Cristiano o importante não é ser verdadeiro, mas basta estar escrito.
    Se Jesus pessoalmente lhe falasse, Paulo Cristiano correria para pegar caneta e papel para anotar.
    E por certo quando tivesse chegado de volta já teria perdido metade do sermão do Senhor.
    E se alguém lhe contasse o que o Senhor pediu ele pediria provas: “Onde está escrito ?”
    Ao invés de guardar no coração as palavras de Jesus, ele precisa ler, e pelo jeito também precisa “interpretar”.
    Lucas está dizendo que tudo o que foi escrito é o que foi ensinado oralmente.
    Tudo que foi escrito na Bíblia, algum dia foi pregado oralmente.
    Paulo Cristiano quer transmitir a ideia de que a Bíblia caiu formatada e encadernada do céu.

    Conclusão:

    Paulo Cristiano julgou que suas distorções e truques não seriam notados.
    Sobretudo, propositalmente ele confunde Sola Scriptura com “Tem que estar escrito.”
    O Sola Scriptura, especialmente desenvolvido e defendido pelos reformadores, em tese significa a suficiência das Escrituras.
    Entretanto, o que Paulo Cristiano está nos dizendo é que o mesmo ensino, idêntico em gênero, número e grau, uma vez transmitido de forma oral, só vale se estiver sido escrito posteriormente.

    Se a tese de Paulo Cristiano estiver certa, então tudo que Jesus fez e disse, se não estiver escrito, não terá valor algum.
    “Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém.” João 21:25

    Para Paulo Cristiano tem que estar escrito.
    Aquilo que Jesus não escreveu, não serve para Paulo Cristiano.
    Paulo Cristiano esqueceu ainda:
    “Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade.” 1 Timóteo 3, 15

    A Igreja, NO SINGULAR, tão e somente a IGREJA, é coluna e sustentáculo da verdade. Somente a Igreja é coluna e sustentáculo da verdade.

    De fato as escrituras são úteis, tal como elas próprio afirmam:

    “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça;” 2 Timóteo 3:16

    Mas útil é uma coisa. Suficiente é outra.
    As Escrituras são úteis, proveitosas. Mas não são suficientes.

    Mas Paulo Cristiano fingiu que não conhece o texto.
    Para recordar São Paulo, tão citado por Paulo Cristiano: 2 Tessalonicenses – Capítulo 2 – Versículo 15

    “Assim, pois, irmãos, permanecei firmes e guardai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.”

    Por isto é que o eunuco da rainha exclamou: “E ele disse: Como poderei entender, se alguém não me ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse.” Atos 8:31

    Se ninguém explica, não há como entender.

    E também não adianta ler como Paulo Cristiano, que nada entende. E quando entende, esconde, deturpa e fatia as Escrituras a seu bel prazer.

    E nem se pode interpretar como também faz Paulo Cristiano.
    A própria Bíblia condena “interpretações”: “Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação.” 2 Pedro 1:20

    Por isto tudo se diz que a fé vem pelo ouvir e não pela leitura da Bíblia:
    “Mas nem todos deram ouvidos ao Evangelho. Pois Isaías disse: Senhor, quem creu a nossa mensagem?
    Logo a fé vem pelo ouvir, e o ouvir vem pela palavra de Cristo.” Romanos 10:16,17

    Paulo Cristiano não vive a tal da “unidade contextual” que prega para os demais:
    Observem o contexto de Romanos 16:17, João 17:21, Efésios 4:4-6, 1 João 2:19, 2 Pedro 2:1,2

    O contexto em questão condena a divisão do corpo de Cristo. Condena as seitas, os pretensos doutores que saíram do meio dos cristãos. O texto exorta ainda os cristãos a se manterem unidos em torno de uma só fé e um só batismo.
    Será que Paulo Cristiano observa o contexto acima ou aceita que existam milhares de denominações evangélicas divergentes entre si ?
    Seu conceito tosco de “unidade contextual” é apenas uma arma que ele lança contra seus oponentes. Paulo Cristiano não vive pela doutrina que prega.

    Resumo:

    Paulo Cristiano interpreta a Bíblia quando ela própria o proíbe de fazê-lo. 2 Pedro 1:20
    Paulo Cristiano ignora a Igreja que pela Bíblia é coluna e sustentáculo da verdade. 1 Timóteo 3, 15
    Paulo Cristiano acha que ler é melhor do que ouvir e assim afronta as escrituras. Romanos 10:16,17
    Paulo Cristiano acha que as escrituras são suficientes quando elas dizem de si mesmo que são úteis. 2 Timóteo 3:16
    Sobretudo, Paulo Cristiano ignora a transmissão oral que a Bíblia ensina. 2 Tessalonicenses – Capítulo 2 – Versículo 15

    Não por acaso a Bíblia, diversas vezes, diz: “Quem tem ouvidos que ouça.”
    A Bíblia não diz: Quem sabe ler que leia.
    Pelo contrário. A Bíblia diz:

    “O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.”

    Sr. Paulo Cristiano, não se esqueça de duas coisas:
    Não somos ministros da letra.
    E a letra mata.

    Também não se esqueça do conselho do apóstolo Pedro, que ao contrário do que o senhor tentou fazer parecer condenou os idólatras da letra:
    “E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição.” 2 Pedro 3:15,16

    Sobretudo, não se esqueça do que ensinou Jesus Cristo:
    São João 14,
    21. Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e manifestar-me-ei a ele.
    22. Pergunta-lhe Judas, não o Iscariotes: Senhor, por que razão hás de manifestar-te a nós e não ao mundo?
    23. Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada.
    24. Aquele que não me ama não guarda as minhas palavras. A palavra que tendes ouvido não é minha, mas sim do Pai que me enviou.

    Entendeu Sr. Paulo Cristiano ?
    Quem ama Jesus guarda suas palavras. E ele não disse palavras que estejam escritas.
    E o mesmo Jesus conclui: “…palavra que tendes ouvido…”
    Ele não disse “Palavra que tendes lido.”

    Se Paulo Cristiano tiver algum interesse na verdade, sugerimos consultar: http://www.veritatis.com.br/apologetica/protestantismo/1269-a-morte-da-qsola-scripturaq
    Disponível em 04/11/2015
    Não admito ataques a honra e dignidade do Sr.Paulo Cristiano. Reconheço seu direito de professar a fé e crenças que mais lhe pareçam adequadas.

    Autor: V.De Carvalho – Divulgação autorizada com os devidos créditos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: