LEITOR PERGUNTA: SERIA “2 Tm 3,15-17” BASE PARA A SOLA SCRIPTURA?

Nome: Marco
Data: 30 de Janeiro de 2020
Horário: 14:12
Site 

Pergunta: Primeiramente, Viva Cristo Rei e parabéns pelo seu apostolado em defesa dessa fé católica tão esplendorosa. Gostaria que seus membros me ajudassem a interpretar corretamente à luz do Magistério da Igreja esta passagem bíblica específica a qual trata-se de 2 Timóteo 3,15-17 e cujo conteúdo fora deliberadamente apropriado pelas seitas protestantes única e exclusivamente para sustentar a tese referente à Sola Scriptura. Agradeço-lhes desde já.

Pax vobiscum.

RESPOSTA

Caríssimo irmão, Pax!

Pelo que rastreei, os demais apologistas do Accatólica responderam sua dúvida através da página do facebook, porém, como esse e-mail chegou até o inbox do site, resolvi responder para complementar o que já foi dito.

Bom, para entendermos o contexto correto da passagem, precisamos analisar o texto. A perícope abaixo foi extraída da “Bíblia de Jerusalém”:

2 Tm 3,15-17 – “Desde a infância conheces as sagradas Letras; elas têm o poder de comunicar-te a sabedoria que conduz à salvação pela fé em Cristo Jesus. Todas escritura é inspirada por Deus e útil para instruir, para refutar, para corrigir, para educar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito, qualificado para toda boa obra”.

A primeira coisa que precisamos ter em mente é que esse texto está em total conformidade com a fé da Santa Igreja e nós, católicos, não precisamos ter qualquer receio de usá-lo ou talvez, sentir-se acuados porque um protestante o usa para sustentar o dogma  da “sola scriptura”.

E por qual razão digo isso?

Simples: nós cremos piamente no que o texto paulino afirma. Toda escritura é inspirada por Deus. Não há um único dogma católico que não seja citada a bíblia como base argumentativa, mas há um problema, certo? O protestantismo usa a perícope como uma afirmação de que devemos usar somente a escritura para defender algo. Isso é sofisma.

Conseguimos derrubar isso facilmente pela seguinte linha teológica:

1 – “Desde a infância conheces as sagradas letras; elas têm o poder de comunicar-te a sabedoria que conduz à salvação pela fé em Cristo Jesus”.

– Paulo está mencionado os escritos do antigo testamento. A epístola de segunda Timóteo foi escrita por volta do ano 67 d.C. e nessa época, com exceção do evangelho de Marcos, tão poucos os demais estavam prontos. O evangelho de São João só seria escrito 40 anos depois. A questão é que há algo peculiar nos textos do VT: todos foram escritos seguindo alguma Tradição e só foram compostos com base na oralidade. O povo judeu tinha suas tradições ramificadas como os javistas, eloístas e deuteronomistas. Boa parte dos textos começam a ser escritos no reinado de Salomão, outros começam a tomar corpo somente no exílio da Babilônia e durante ele (525 a.C.). E o que isso tem de importante para nós? Pois bem, os próprios textos do velho testamento foram elaborados com base em Tradições orais, logo, exaltar as sagradas e antigas letras, também significava honrar a construção oral por qual ela veio.

O discurso paulino segue aquilo que a Igreja tem por direito atualmente no que diz respeito a veneração da bíblia. Só na missa, são realizadas quatro leituras diferentes: antigo testamento, salmo, novo testamento e evangelho.

Logo, não há qualquer indício de que o apóstolo esteja enfatizando o uso “único da escritura”. A linha de pensamento segue o que nós católicos cremos.

2 – “Todas escritura é inspirada por Deus e útil para instruir, para refutar, para corrigir, para educar na justiça”

R: Esse pequeno trecho é o que da base para o dogma protestante, porém, sem qualquer fundamento. Não precisamos ir longe para refutar tal ideia, afinal, o próprio texto concede a resposta: “Toda a escritura”, não “Somente ela” ou “Só ela”. Esse é o erro basilar das confissões reformadas ao afirmar uma doutrina com base na bíblia e esquecer todas as demais informações que são oriundas da própria escritura.

O conceito paulino está em total sintonia com a Igreja Católica, uma vez que seguimos o tripé “Escritura, Tradição e Magistério” e para os três conceitos, a própria escritura testifica em nosso favor.

1º tripé: A bíblia diz: “Toda escritura é inspirada” (2 Tm 3,15-17). Católicos e protestantes acreditam nisso.  

2º tripé: A bíblia diz: “A Igreja é coluna e sustento da verdade” (1 Tm 3,15). Católicos acreditam nisso, protestantes, não.

3º tripé: A bíblia diz: “Eu vos louvo por (…) conservastes as tradições” (1 Cor 11,2) == “Ficai firmes; guardai as tradições que vos ensinamos oralmente” (2 Ts 2,15) == “Nós vos ordenamos (…) afasteis de todo irmão que leve vida (…) contrária a tradição” (2 Ts 3,6) == “Timóteo. Guarda o depósito” (1 Tm 6,20) == “O que de mim ouviste na presença de muitas testemunhas, confia-o a homens fieis, que sejam idôneos para ensiná-lo a outros” (2 Tm 2,2). Católicos acreditam nisso, protestantes, não.

Tendo em vista tais detalhes, a pergunta que deve permear nossas mentes é: por qual razão o protestante, usando tal passagem para defender a “sola scriptura”, renega as demais? Perceba, caro irmão, como nós somos muito mais “biblistas” do que o próprio protestantismo.

A sagrada escritura apresenta o tripé necessário para a continuidade da fé. Isto é, além do texto de 2 Tm 3,15-17 nada afirmar sobre usar somente a escritura, existem outros textos – também paulinos! – que nos concedem diretrizes importantes que não são observadas por protestantes, somente por católicos.

A bíblia exalta a si própria em diversos versículos, mas em nenhum momento, coloca-se como única fonte de revelação. Nós cremos piamente que a escritura é útil e inspirada. Usamos ela para refutar, corrigir e educar, porém, não adicionamos ao texto aquilo que não existe. Como já mencionado no início, não há nada na perícope que afirme que “só a escritura é inspirada”. A própria bíblia defende o uso da Tradição e do Magistério (Igreja).

3 – “A fim de que o homem de Deus seja perfeito, qualificado para toda boa obra”.

R: A escritura produz isso no coração do homem e esta completamente de acordo com a fé católica. Nós cremos que a bíblia é fonte de sabedora e aponta para Jesus. Como diz são Jerônimo: “Ignorar a Escritura é ignorar o Cristo”.

Esse trecho final não enfatiza a “sola”, pelo contrário, confirma aquilo que nós temos por fé.

Espero que tenha ajudado.

Deus abençoe!



Categorias:Espaço do Leitor

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: