ATOS DE TADEU, UM DOS DOZE

INTRODUÇÃO:

Esta é uma tradução da obra Atos de Tadeu, uma obra hagiográfica do século VI, que conta a história do Apóstolo São Judas Tadeu, e relata antigas tradições sobre o estabelecimento da Igreja na Síria e na Mesopotâmia. Muitos especulam que o tecido marcado com o rosto de Cristo que vemos descrito nesta obra, chamado pela tradição oriental de Mandylion de Edessa, seja o próprio Sudário de Turim (que era dobrado de forma que apenas a face ficasse exposta), e que então diversas histórias foram sendo criadas para explicar sua origem.

Uma delas, a Doutrina de Addai (séc. IV) muito importante nas igrejas siríacas, relata que Ananias (Hannan), o emissário do rei Abgarus, era também o pintor da corte e fez um retrato da face de Cristo. São João Damasceno parece fazer uma mescla dos relatos, conciliando os dois:

“De resto, podemos lembrar a seguinte história: o rei de Edessa, Abgarus, havia enviado uma pintor para reproduzir a efígie do Senhor; mas ele foi incapaz, devido ao brilho que irradiava de sua face. Então o Senhor colocou seu manto sobre seu rosto vivificante, e fez com que nele se imprimisse sua imagem, satisfazendo assim ao desejo de Abgarus.” (De fide Orthodoxa, IV,16)

O primeiro registro da existência da imagem na antiga cidade de Edessa foi de Evagrio Escolástico, escrevendo por volta de 593, que relata um retrato de Cristo de origem divina (θεότευκτος), que efetuou o milagroso auxílio na defesa de Edessa contra os persas em 544. Após a destruição de Edessa pelos persas em 609 a imagem desaparece dos registros e reaparece em um relato que nos conta que ela foi movida para Constantinopla no século 10. O tecido desapareceu quando Constantinopla foi saqueada pelos templários em 1204 durante a Quarta Cruzada.

ATOS DE TADEU, UM DOS DOZE

Lebeu, que também é [chamado] Tadeu,[1] era da cidade de Edessa – a metrópole de Osroena, no interior dos Armeno-sírios – hebreu por etnia, formado e erudito nos escritos divinos. Ele veio a Jerusalém para adorar [no Templo] nos dias de João Batista; e tendo ouvido sua pregação e visto sua vida angelical, ele foi batizado e seu nome [de batismo] foi chamado de Tadeu. E tendo visto a aparição de Cristo e Seu ensino e Seus milagres maravilhosos, ele O seguiu e tornou-se Seu discípulo; e Ele [Jesus] o escolheu como um dos doze, o décimo apóstolo de acordo com os evangelistas Mateus e Marcos.

Naquela época havia um governador da cidade de Edessa, de nome Abgarus. E havendo se espalhado a fama de Cristo, dos milagres que Ele fez e de Seu ensino, Abgaro, tendo ouvido falar disso, ficou atônito e desejou ver Cristo, [mas] não podia deixar sua cidade e governo. E próximo aos dias da Paixão e das conspirações dos judeus, Abgarus, sendo acometido por uma doença incurável, enviou uma carta a Cristo pelo mensageiro Ananias, com o seguinte dizer:

“A Jesus chamado Cristo, Abgarus o governador do país dos Edessenos, um escravo indigno. A multidão de milagres que fizeste foi ouvida por mim, que você cura o cego, o coxo e o paralítico, e cura todos os endemoniados; e por isso imploro a tua bondade que venha até nós e escape das conspirações dos ímpios judeus, que por inveja eles puseram em ação contra ti. Minha cidade é pequena, mas grande o suficiente para nós dois.”

 Abgarus encarregou Ananias que fizesse um relato preciso sobre Cristo, de que aparência Ele era, a Sua estatura, o Seu cabelo, em uma só palavra: tudo. E Ananias, tendo ido entregar a carta, estava olhando cuidadosamente para Cristo, mas não conseguiu fixá-lo em sua mente. E Ele [Jesus] soube como que conhecendo o seu coração, pediu para se lavar; e uma toalha foi dada a ele; e quando Ele se lavou, Ele enxugou Seu rosto com ela. E tendo a sua imagem impressa no linho, deu-a a Ananias, dizendo: Entregue isto e leve esta mensagem àquele que te enviou:

“Paz a ti e à tua cidade! Porque é para isso que eu vim, para sofrer pelo mundo, e para ressuscitar, e para ressuscitar os antepassados. E depois que eu for elevado aos céus, enviarei a você meu discípulo Tadeu, que o iluminará e o guiará em toda a verdade, tanto você quanto sua cidade.”

E tendo [Abgarus] recebido Ananias, e se prostrado e venerado a imagem [de Jesus impressa no linho], Abgarus foi curado de sua doença antes mesmo que Tadeu viesse.

E depois da Paixão, Ressurreição e Ascensão, Tadeu foi até Abgarus; e tendo-o encontrado com saúde, fez-lhe um relato da encarnação de Cristo e o batizou, com toda a sua casa. E tendo instruído grandes multidões, tanto de hebreus como de gregos, sírios e armênios, ele os batizou em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ungindo-os com o santo myron;[2] e ele comungou a eles os mistérios imaculados do sagrado corpo e sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, e os entregou para guardar e observar a lei de Moisés, e dar atenção às coisas que haviam sido ditas pelos apóstolos em Jerusalém. Pois ano após ano eles se reuniam para a Páscoa, e novamente ele transmitia a eles o Espírito Santo.

E Tadeu junto com Abgaro destruiram os templos dos ídolos e construiram igrejas; ordenou como bispo um de seus discípulos, e presbíteros e diáconos, e deu-lhes as regras da recitação dos salmos e da sagrada liturgia. E, deixando-os, foi para a cidade de Amis, grande metrópole dos Meso-caldeus e sírios, isto é, da Mesopotâmia-Síria, às margens do rio Tigre. E tendo ele ido à sinagoga dos judeus com seus discípulos no dia de sábado, depois da leitura da lei o sumo sacerdote[3] disse a Tadeu e seus discípulos: Homens, donde sois? E porque estão aqui?

E Tadeu disse: Sem dúvida, você já ouviu falar do que aconteceu em Jerusalém sobre Jesus Cristo, e nós somos Seus discípulos e testemunhas das coisas maravilhosas que Ele fez e ensinou, e como por meio do ódio os principais sacerdotes O entregaram a Pilatos, o procurador da Judéia. E Pilatos, tendo-o examinado e não achado caso [para condená-lo], quis deixá-lo ir; mas gritaram: Se o deixares ir, não és amigo de César, porque ele se proclama rei. E ele, com medo, lavou as mãos diante da multidão e disse: Sou inocente do sangue deste homem; cuidai disso vós mesmos.

E os principais dos sacerdotes responderam e disseram: Seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos. E Pilatos o entregou a eles. E eles, junto com os soldados, pegaram-no, cuspiram e zombaram dele, e então o crucificaram e o puseram no sepulcro, e a trancaram bem, tendo também posto guardas sobre ele. E no terceiro dia antes do amanhecer Ele se levantou, deixando Suas vestes funerárias no sepulcro. E Ele foi visto primeiro por Sua mãe e outras mulheres, e por Pedro e João, o primeiro de meus condiscípulos, e depois a nós os doze, que comeram e beberam com Ele depois de Sua ressurreição por muitos dias.

E Ele nos enviou em Seu nome para proclamar o arrependimento e a remissão dos pecados a todas as nações, para que aqueles que fossem batizados, tendo o reino dos céus pregado a eles, ressuscitassem incorruptíveis no final desta era; e Ele nos deu poder para expulsar demônios e curar todas as doenças e enfermidades e ressuscitar os mortos.

E as multidões, ouvindo isso, reuniram seus enfermos e endemoniados. E Tadeu, saindo com seus discípulos, impôs a mão sobre cada um deles e curou a todos invocando o nome de Cristo. E os endemoniados foram curados antes que Tadeus chegasse perto deles, [com] os espíritos [malignos] saindo deles. E por muitos dias as pessoas se reuniam de diferentes lugares e viram o que foi feito por Tadeu. E ouvindo seu ensino, muitos creram e foram batizados, confessando seus pecados.

Tendo, portanto, permanecido com eles por cinco anos, ele estabeleceu uma igreja; e tendo nomeado como bispo um de seus discípulos, [e também] presbíteros e diáconos, e orado por eles, ele partiu, percorrendo as cidades da Síria, ensinando e curando todos os enfermos; de onde ele trouxe muitas cidades e países a Cristo por meio de Seu ensino. Ensinando, portanto, e evangelizando junto com os discípulos, e curando os enfermos, ele foi para Berytus, uma cidade da Fenícia à beira-mar;[4] e lá, tendo ensinado e esclarecido muitos, ele adormeceu no dia vinte e um do mês de agosto. E os discípulos tendo se reunido, o sepultaram com grande honra; e muitos enfermos foram curados e deram glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo para todo o sempre. Amém.


[1] Thaddaeus, chamado também de Addeus, no oriente ele é conhecido como Addai (ܡܪܝ ܐܕܝ). Algumas variantes textuais do Evangelho apresentam a mesma informação: “Lebeu, apelidado Tadeu” (Mt 10,3), a Bíblia também diz que ele era o irmão mais novo de Tiago Menor (Lc 6,16; Jd 1,1), o chamado “irmão do Senhor”. A Igreja tradicionalmente atribuiu a ele a Epístola de Judas, na qual ele, por humildade, não se coloca como “irmão do Senhor”, mas prefere se identificar com seu irmão Tiago, que era Bispo de Jerusalém e um dos membros mais importantes da Igreja nascente.

[2] O oléo do crisma.

[3] O Arquisinagogo, chamado também de “chefe da Sinagoga” (Mc 5,38).

[4] Beirute, atual Líbano



Categorias:Traduções

Tags:, , , , , ,

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: