Por que os católicos orientais não se tornam ortodoxos?

Titulo Original: Por qué los catolicos orientales no se vuelven simplesmente ortodoxos?
Texto original: https://east2west.org/essays/vuelves-ortodoxo/
Tradução adptada: Érick Augusto Gomes
Audor: Pe Diácono Anthony

Por que os católicos orientais não se tornam ortodoxos?

Como católico oriental, as vezes, me fazem esta pergunta: por que você não se torna ortodoxo?

Muitas pessoas já me pergutaram isso ao longos dos anos e compreendo esse tipo de questionamento. Além disso, ser “católico oriental” pode ser desafiador e complicado. É uma existência carregada de tensão, flutuando entre dois mundos.

Os cristãos ortodoxos, com os quais, compartilhamos quase tudo em comum, com frequência, nos consideram “traidores” que venderam a fé verdadeira pelos benefícios da união com Roma. Escutei várias dessas acusações semana passada, inclusive, chamando-nos de enganadores. Por outro lado, os católicos romanos, com quem compartilhamos uma comunhão plena, geralmente nem sabem que nós existimos. Aqueles que nos conhecem com uma maior proximidade, nos olham com suspeita. A verdade é que deixar o catolicismo e abraçar a ortodoxia, para muitos católicos orientias, seria conduzir-los para uma vivência de fé mais simples e ordenada.

Manter nossas tradições e teologia, enquanto estamos em união com à Igreja Latina, que é uma Igreja maior, as vezes é difícil. Ao longos dos séculos, muitas Igrejas Católicas Orientais tem confundido suas liturgias e identidades e a luta para restaurar ambas as coisas, nem sempre é algo simples. A tentação de romper com a desordem de nossas existência e abraçar a “ortodoxia pura” é compreensível, porém, infantil.

Então, por que não me converto a ortodoxia? Pois bem, estas são as minhas razões.

Já vivo a espiritualidade oriental

Como católico oriental, já estou vivendo a vida espiritual de um cristão ortodoxo. Minha vida e espiritualidade não são diferentes de meus amigos ortodoxos. Não vejo como romper a comunhão com Roma, melhoraria isso de uma maneira significativa.

É claro que sou consciente de que muitas eparquias católicas orientais não oferecem o serviço de vésperas e matinas semanais. Estes serviços, representam uma parte importante da vida litúrgica do cristão oriental e são uma fonte poderosa de sabedoria espiritual e teológica. Muitas comunidades orientais católicas adotaram a mentalidade de que tudo o que importa é a liturgia eucarística e estão abandonando em grande medida outros serviços. Isto é trágico, embora existe um movimento para que isso possa ser revertido.

De qualquer forma, não aceito a premissa de que a oração pública de matinas e vésperas seja um atributo definitivo da espiritualidade oriental. Embora sejam serviços maravilhosos e importantes, não creio que uma paróquia seja ilegítima e deva ser cancelada porque estes serviços faltem. Espero e rezo para que algum dia, todas as eparquias católicas orientais restaurem esses ofícios, entretanto, não creio que seja necessário que aqueles católicos orientais que queiram viver uma vida espiritual autentica, abandonem suas comunidades.

Comunhão com a família

A maioria dos membros da minha família são católicos romanos. Romper a comunhão eclesial com Roma, implicaria, como resultado, romper a comunhão eclesial com a minha família e amigos, em outras palavras, seria uma quebra com a minha própria história. Portanto, ser ortodoxo faria do cisma oriente/ocidente uma presença real e tangível dentro da minha vida pessoal. Não quero que o cisma que para mim, foi em grande parte teórico e político, se converta em uma força destruidora em minha vida familiar.

Porém, se estivesse convencido de que à Igreja Ortodoxa fosse a única Igreja verdadeira (como alegam), nada me impediria de me converter.

Os sacramentos católicos são verdadeiros

Creio que Deus tem trabalhado em minha vida através dos sacramentos na Igreja Católica. Muitos cristãos ortodoxos negariam esse fato, dizendo que os sacramentos católicos carecem de graça.

Se bem que nem todos os ortodoxos afirmariam isso, negar a eficácia dos sacramentos católicos é uma posição aceitável dentro da ortodoxia. De fato, esta é a opinião prenominante entre os hiper conversos da ortodoxia que agora são a maioria em muitas paróquias e na internet. Ao converter-me em ortodoxo, me uniria a um corpo eclesial, onde, é uma posição legítima menosprezar os sacramentos católicos. Ao fazer-lo, seria cumplice da negação de algo que é certo: a graça de Deus atua através dos sacramentos no catolicismo.

O plano de Deus para à Igreja

Creio que o papado é parte do plano de Deus para a Igreja. Rejeito a “supremacia” papal ou seja lá o que isso possa significar, entretanto, creio que o ofício petrino é necessário para a saúde da Igreja, como ponto focal de unidade.

Sim, o ministério papal nem sempre foi exercído corretamente, porém, em meus estudo das sagradas escrituras e da história da Igreja, fiquei convencido de que o ministério papal esta insituído divinamente e que Jesus o colocou por alguma razão. Por tanto, considero que romper a comunhão com Roma é algo muito sério e que não tenho a intenção de fazer. Não julgo católicos que tomaram essa decisão, porém se o fizesse, violaria minha consciência.

Deus está conosco

Amo à Igreja Católica Romana, no entanto, creio que está mal em alguns lugares e o que é mais necessário para ajudar nessa crise, seria uma dose de espírito do cristianismo oriental e amor pela Tradição. Uma presença oriental forte e saudável dentro do catolicismo, creio que seja o ideal para fortalecer o catolicismo romano. A teologia, a liturgia e a disciplina do oriente podem atuar como corretivos para alguns dos problemas que afligem à Igreja Ocidental.

Minha convicção é a seguinte: ao construir Igrejas Católicas Orientais, nós, orientais, poderemos conseguir em última instância uma renovação na Igreja Latina. Isto pode parecer contrário a instituição e nosso impacto, a princípio, pode parecer imperceptível, porém, tenho visto que nossos esforços tem dado frutos, embora de pequenas formas. Sei que Deus está conosco em meio de nossas lutas e que atua através de nós, sem se importar o quão pequena seja nossa existência.

– Diácono Daniel; Igreja Católica Ucraniana.

– Traduzido por Érick Augusto Gomes.

IC XC NIKA



Categorias:Catolicismo Oriental

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: