Pedra angular x Pedra base

Por Fellipe Yoshio Menezes Sugimoto

Introdução

            Um dos argumentos utilizados pelos protestantes para negar que São Pedro é a pedra de Mateus 16, 18, que é talvez o mais usados por eles, é o fato de Jesus ser chamado de pedra angular em algumas passagens bíblicas, como as seguintes:

«Jesus, porém, fixando neles o olhar, disse: “Que significa então o que está escrito: ‘A pedra que os edificadores tinham rejeitado tornou-se a pedra angular?’ Aquele que cair sobre essa pedra se quebrará todo, e aquele sobre quem ela cair, o esmagará”» (Lucas 20, 17 – 18).

«É ele [Jesus Cristo] a pedra desprezada por vós, os construtores, mas que se tornou a pedra angular» (Atos dos Apóstolos 4, 11).

            Com base nesses versículos, eles deduzem que a pedra de Mateus 16, 18 seria Jesus, e não Pedro. Mas será que essa tese possui algum fundamento? Pois bem, é disso que tratarei neste estudo. Não vou aqui tratar da demonstração de que Pedro é a pedra, até porque já tratei disso em outro momento.

1. A lógica e a análise textual

            Para começar, vamos ao discurso de Jesus no qual se encontra a afirmação de Mateus 16, 18:

«Jesus respondeu-lhe: “Bem-aventurado és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne ou sangue que te revelaram isso, e sim meu Pai que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Hades nunca prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus”» (Mateus 16, 17 – 19).

            Em primeiro lugar, Jesus diz: “sobre esta pedra edificarei minha Igreja”. Como se pode ver, Jesus aqui se apresenta como o construtor e a Igreja como a sua construção. A pedra aqui mencionada é a base da construção, não a pedra angular. São coisas diferentes. Sobre o conceito de pedra angular, tratarei mais adiante.

            Com isso, já dá para perceber que a pedra angular (Jesus) citada em outras passagens não tem nada a ver com a pedra base da Igreja aqui citada. Logo, as passagens que citam Jesus como pedra angular não apresentam qualquer obstáculo à interpretação católica de que Pedro é a pedra base da Igreja.

            Em segundo lugar, se Jesus é o construtor da Igreja, ele não pode, ao mesmo tempo, ser a base da construção, pois ninguém constrói nada sobre si mesmo. Em terceiro lugar, o contexto é um obstáculo à identificação da pedra com Jesus. Vamos aqui separar as frases ditas por Jesus e analisar a quem todo o discurso d’Ele é dirigido:

            1ª) «Bem-aventurado és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne ou sangue que te revelaram isso, e sim meu Pai que está nos céus» – frase referente a Pedro;

            2ª) «Também eu te digo que tu és Pedro» – frase referente a Pedro;

            3ª) «e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Hades nunca prevalecerão contra ela» – frase referente a Ele mesmo?

            4ª) «Eu te darei as chaves do Reino dos Céus e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus» – frase referente a Pedro.

            Como se pode ver, em Mateus 16, 17 – 19, Jesus se dirige a Pedro. Trata-se de um discurso em particular a este apóstolo. Três das quatro frases (1ª, 2ª e 4ª) claramente se referem a Pedro. A 3ª frase, que segundo os protestantes, se refere a Jesus, faz parte do discurso dirigido a Pedro e, portanto, também foi dirigida ao apóstolo.

            Faria sentido que essa frase, que faz parte de um discurso dirigido a Pedro sendo, portanto, dirigida a Pedro, não se referisse a ele? Claro que não. Se a frase foi dirigida a Pedro e faz parte de um discurso dirigido a ele, então ela, de alguma forma, tem a ver com Pedro também, senão não estaria nesse discurso.

            Se a pedra fosse Jesus, como dizem os protestantes, essa frase não teria nada a ver com Pedro e não teria porque ela estar presente num discurso particular a ele. Em quarto lugar, a coerência textual também é um obstáculo para a identificação da pedra com Jesus. Se a expressão “esta pedra” se refere a Jesus, então poderíamos substituí-la no versículo por “mim”, já que é Jesus quem fala, e a frase deveria continuar fazendo sentido. Vamos fazer esse exercício e ver se a frase continua fazendo sentido:

«Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre mim edificarei minha Igreja, e as portas do Hades nunca prevalecerão contra ela».

            Desse jeito, essa frase não possui coerência, uma vez que a expressão “Também eu te digo que tu és Pedro” fica completamente sem sentido na frase, porque não tem finalidade nenhuma no texto e não explica o porquê de Jesus dar o nome de Pedro a Simão. É apenas uma frase solta. Por outro lado, se substituíssemos a expressão “esta pedra” por “ti” a frase continuaria fazendo sentido. Façamos esse exercício:

«Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre ti edificarei minha Igreja, e as portas do Hades nunca prevalecerão contra ela».

            Veja que agora a expressão “Também eu te digo que tu és Pedro” não é mais uma frase solta. Agora ela tem sentido, tem uma finalidade no texto, que é, primeiro, indicar a quem o discurso se refere e, segundo, explicar o porquê de Jesus dar o nome de Pedro a Simão. O apóstolo recebe esse nome, que significa “pedra” (mostrarei isso mais adiante) porque foi escolhido para ser a base a Igreja, a pedra base. Como se pode ver, a coerência textual também impede de identificar a pedra com Jesus.

2. O conceito de pedra angular

            Agora, para que fique ainda mais claro que as passagens que se referem a Jesus como pedra angular não têm nada a ver com a pedra de Mateus 16, 18 é necessário entendermos o conceito de pedra angular. Vejamos o conceito abaixo, tirado de um site protestante e, portanto, insuspeito para falar desse conceito:

(Sanchez, André. O que era a pedra angular ou pedra de esquina? Por que Jesus era essa pedra?).

«A primeira menção na Bíblia sobre a pedra angular está em uma fala de Deus a Jó, quando Deus diz a Jó a respeito de Sua grandeza na criação de todas as coisas: “Sobre que estão fundadas as suas bases ou quem lhe assentou a pedra angular…” (Jó 38:6). Está claro que a linguagem aqui é de construção, ou seja, de edificação de algo. Dentro das construções antigas essa pedra era a pedra que ficava no canto e dava sustentação às paredes (veja foto acima). Esse tipo de pedra também era usada na construção de arcos, era a pedra central que mantinha toda a estrutura unida, na forma correta, com a força necessária para suportar pesos e sem a possibilidade de cair (veja foto acima)» (Ibidem, O que é a pedra angular ou pedra de esquina?).

            Segundo a imagem e a definição acima, ambas tiradas de um site protestante, pedra angular, nas construções antigas, nada mais é do que a pedra colocada no canto para dar sustentação às paredes ou a pedra central colocada no topo dos arcos para dar sustentação a eles. Ou seja, nada a ver com a pedra base e, portanto, a identificação de Cristo com a pedra angular nada tem a ver com a pedra de Mateus 16, 18.

            E esse conceito de pedra angular não pode ser falso, já que vem de uma fonte protestante e não favorece nem um pouco o protestantismo. Pelo contrário, é um tiro no pé dos protestantes, pois desmente a identificação deles da pedra angular com a a pedra de Mateus 16, 18 e, por consequência, acaba com o argumento que refuto aqui. Assim, não teria porque um site protestante disponibilizar essa informação se ela fosse falsa.

            Ou seja, quando o Novo Testamento chama Cristo de pedra angular é para dizer que Ele é quem sustenta toda a Igreja. Se tirarmos Cristo da Igreja, ela não se sustenta. É por Cristo que a Igreja se mantém de pé. Agora, isso não é o mesmo que dizer que Cristo é a pedra sobre a qual a Igreja seria edificada. Cristo não poderia construir a sua Igreja sobre si mesmo. O construtor por até fornecer a sustentação da obra, mas não edificá-la sobre si mesmo. Ninguém edifica nada sobre si mesmo.

3. Cefas, que quer dizer Pedro

            Outro fato que reforça que as passagens que se referem a Cristo como pedra angular não provam que Ele é a pedra de Mateus 16, 18 é o fato de, se por um lado, Jesus Cristo é citado como pedra angular, por outro, Pedro também é citado como pedra na Bíblia, e não só isso, é identificado como a pedra de Mateus 16, 18.

«Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Hades nunca prevalecerão contra ela» (Mateus 16, 18).

            Como podemos ver acima, Jesus deu um novo nome a Simão, que significa pedra, conforme um dicionário e léxicos protestantes do grego. Primeiro, um dicionário bíblico tirado de um site protestante:

(Novo Tempo. Bíblia OnLine, Mateus 16, 18, Dicionário, Pedro)

            Agora, três léxicos protestantes do grego do Novo Testamento:

(Rodrigues, Rafael. Pedro, a Rocha (Parte I), 1 – O nome de Pedro)

            De fato, o nome Pedro significa pedra, e fontes protestantes confirmam isso. Se Pedro significa pedra, logo as expressões “tu és Pedro” e “esta pedra” estão relacionadas. Dado o significado do nome Pedro, não tem sentido nenhum esse novo nome de Simão e a pedra base da Igreja não estarem conectados. São palavras diferentes (diferença de gênero e tipo de substantivo), mas com o mesmo significado. Pedro é substantivo próprio masculino e pedra é substantivo comum feminino.

            No grego também existe essa diferença e como não se pode usar um substantivo comum feminino (pedra) como nome de um homem, usa-se um substantivo próprio masculino com o mesmo significado (Pedro). Porém, se no grego existe essa diferença entre os termos, no aramaico não existe. Devemos lembrar que Jesus não falava grego, e muito menos português, mas aramaico. E no aramaico usa-se o mesmo termo, tanto para o nome da pessoa (Pedro) quanto para o substantivo (pedra):

(Mateus 16, 18 na Bíblia Peshita (aramaico do século V) citada por Ibidem, 2 – Tradução de Mateus 16, 18)

            Como se pode ver, no aramaico usa-se o mesmíssimo termo, Cefas (Kepha), tanto para o nome do apóstolo quanto para a pedra base da Igreja. E isso deixa ainda mais claro que Pedro é a pedra base da Igreja. Não tinha como alguém escutando Jesus falando isso em aramaico interpretar de outro jeito. Agora, vamos a outro texto bastante esclarecedor nesse sentido, que se encontra no Evangelho de São João:

«Ele [André] o conduziu [a Pedro] a Jesus. Fitando-o disse-lhe Jesus: “Tu és Simão, filho de João; chamar-te-ás Cefas” (que quer dizer Pedra)» (João 1, 42).

            Como se pode ver, quando Simão (futuro Pedro) conheceu Jesus, Ele lhe prometeu um novo nome, Cefas, que, como diz o próprio João, significa pedra. Além disso, a Bíblia de Jerusalém explica em nota de rodapé:

«Em português a diferença entre Pedro e pedra não permite acentuar a força do original aramaico e grego, em que a mesma palavra designa a materialidade da rocha e o novo nome daquele que é o cabeça do Colégio apostólico (cf. Mt 16, 18+)» (Bíblia de Jerusalém, p. 1845, nota h).

            A Bíblia de Jerusalém explica que, em português, a diferença de termos entre Pedro e pedra não permite acentuar a força do original aramaico e grego, no qual a mesma palavra designa a materialidade da rocha e o novo nome de Simão. No grego existe também essa diferença de termos, mas não de significado, como mostrado acima.

            Mas no aramaico não existe, como mostrado acima, e a Bíblia de Jerusalém confirma isso. Vale lembrar que a Bíblia de Jerusalém, embora tenha o cânon católico e o imprimatur (aprovação eclesiástica), é uma tradução ecumênica. Ou seja, é feita por exegetas católicos e protestantes, o que significa que tanto a tradução como as notas de rodapé foram feitas com a participação de exegetas protestantes.

            Em suma, a Bíblia de Jerusalém, com sua tradução e suas notas de rodapé, é aceita e aprovada por exegetas protestantes. Isso quer dizer que a explicação da nota de rodapé citada acima possui o aval de exegetas protestantes. Portanto, ninguém pode acusá-la de parcialidade católica. Vejamos agora o grego de João 1, 42:

«ἤγαγεν αὐτὸν πρὸς τὸν Ἰησοῦν ἐμβλέψας αὐτῷ ὁ Ἰησοῦς εἶπεν Σὺ εἶ Σίμων ὁ υἱὸς Ἰωάννου σὺ κληθήσῃ Κηφᾶς [Kēphas] ὃ ἑρμηνεύεται Πέτρος [Petros]» (João 1, 42 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            Como se pode ver, no grego, o termo que foi traduzido como pedra no português é Petros (Pedro), o novo nome de Simão. Ou seja, Cefas é sinônimo Pedro. E Cefas significa pedra, segundo a Concordância de Strong:

(Concordância de Strong, Grego 2786)

            Está em inglês, mas quem entende um pouco de inglês vai conseguir entender perfeitamente. Como se pode ver, Cefas é a versão aramaica do nome Pedro e significa rocha/pedra em aramaico. E algumas traduções protestantes confirmam essas equivalência de significados entre Cefas, Pedro e rocha/pedra:

(Novo Tempo. Bíblia OnLine, João 1, 42, Versões)

            Também o dicionário protestante do mesmo site de onde foi tirado o print acima confirma que Cefas é sinônimo de Pedro:

(Novo Tempo. Bíblia OnLine, João 1, 42, Dicionário, Cefas)

            Como se pode ver, Cefas é sinônimo de Pedro, como confirmam fontes protestantes. Inclusive a Bíblia protestante NTLH, mostrada acima, na sua tradução de João 1, 42, confirma que Cefas e Pedro são sinônimos, e não só isso: confirma também que ambos os nomes significam pedra. E isso nos mostra a conexão de João 1, 42 com Mateus 16, 18: na primeira passagem, Jesus promete um novo nome a Simão, e na segunda passagem, Ele cumpre essa promessa. Comparemos as duas passagens:

  • Em João 1, 42, temos: “chamar-te-ás Cefas [sinônimo de Pedro]” (tempo futuro);
  • Em Mateus 16, 18, temos: “tu és Pedro [sinônimo de Cefas]” (tempo presente).

            Como se pode ver, é inegável a conexão entre as duas passagens. Jesus promete a Simão um novo nome que significa pedra e depois cumpre essa promessa. Essa promessa do novo nome identifica Pedro como a pedra de Mateus 16, 18, já que Cefas é sinônimo de Pedro e ambos significam pedra. Jesus, quando dá o novo nome a Simão, diz: “e sobre esta pedra edificarei minha Igreja”.

            Jesus promete a Simão um nome que significa pedra e cumpre essa promessa afirmando que irá edificar a sua Igreja sobre a pedra. Ao prometer e dar a Simão um nome que significa pedra, Jesus está claramente afirmando que o apóstolo é pedra. E Ele lhe deu este nome imediatamente antes de dizer que edificaria a Igreja sobre a pedra. Em Mateus 16, 18, Jesus cumpre a promessa feita em João 1, 42, dando a Simão um novo nome que significa pedra, e o fez num discurso referente à edificação da Igreja.

            Logo, o nome Pedro (sinônimo de Cefas) significa pedra e está ligado à edificação da Igreja. Em suma, Cristo, por meio do novo nome de Simão, afirma que ele é pedra e diz, em seguida, que edificaria a sua Igreja sobre a pedra. Como é possível essa pedra base da Igreja não ter nada a ver com Pedro? Como se pode ver, claramente Pedro é identificado como a pedra. Outro fato que evidencia isso é que Cefas é a versão aramaica do nome Pedro e o termo aramaico para pedra.

            Como já disse antes, Jesus falava em aramaico. Então, aquela frase de João 1, 42 foi falada em aramaico. Como em aramaico Cefas é tanto o nome Pedro como o substantivo pedra, então, quando Jesus disse “chamar-te-ás Cefas”, em aramaico Ele também estava dizendo “chamar-te-ás pedra”. Ou seja, no aramaico, Jesus anunciou que Pedro seria a pedra. Para finalizar, São Paulo diversas vezes chamou São Pedro de Cefas em suas cartas, como podemos ver nas passagens a seguir:

«Explico-me: cada um de vós diz:  “Eu sou de Paulo!”, ou “Eu sou de Apolo!”, ou “Eu sou de Cefas!”, ou “Eu sou de Cristo!”» (I Coríntios 1, 12).

«Paulo, Apolo, Cefas, o mundo, a vida, a morte, as coisas presentes e as futuras. Tudo é vosso» (I Coríntios 3, 22).

«Não temos o direito de levar conosco, nas viagens, uma esposa cristã [mulher irmã], como os outros apóstolos e os irmãos do Senhor e Cefas?» (I Coríntios 9, 5).

«Apareceu a Cefas, e depois aos doze» (I Coríntios 15, 5).

«Em seguida, após três anos, subi a Jerusalém para avistar-me com Cefas e fiquei com ele quinze dias» (Gálatas 1, 18).

«E conhecendo a graça em mim concedida, Tiago, Cefas e João, os notáveis tidos como colunas, estenderam-nos a mão, a mim e a Barnabé, em sinal de comunhão: nós pregaríamos aos gentios e eles aos da Circuncisão» (Gálatas 2, 9).

«Mas quando Cefas veio Antioquia, eu o enfrentei abertamente, porque ele se tornara digno de censura» (Gálatas 2, 11).

            Como se pode ver, São Paulo diversas vezes chamou São Pedro de Cefas, e essa atitude do apóstolo dos gentios é bastante significativa. Como expliquei anteriormente, Cefas é a versão aramaica do nome Pedro e é também o termo aramaico para o substantivo pedra, já que na língua de Jesus não havia distinção terminológica entre o nome próprio Pedro e o substantivo comum pedra.

            Ou seja, quando São Paulo chama Pedro de Cefas, ele também o está chamado de “a pedra”, como se quisesse deixar claro que estava se referindo àquele que é a pedra base da Igreja. Claramente Pedro é pedra na Bíblia. Como se pode ver, se por um lado, o Novo Testamento diz que Jesus é a pedra angular, por outro, o mesmo Novo Testamento também diz que Pedro é pedra. Então, uma passagem que chama de Jesus de pedra não é nenhuma prova suficiente para afirmar que Ele é a pedra de Mateus 16, 18.

4. O grego do Novo Testamento

            Até aqui, já pudemos ver que o argumento protestante aqui refutado é bastante insustentável. Agora, irei mostrar que, diante do texto grego do Novo Testamento, esse argumento protestante fica ainda mais insustentável. Vou analisar aqui o texto grego das passagens nas quais Jesus é chamado de pedra. Mas, antes de analisá-las, vamos ao texto de Mateus 16, 18, que fala da pedra base da Igreja.

Mateus 16, 18:

«Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra [petra] edificarei minha Igreja, e as portas do Hades nunca prevalecerão contra ela» (Mateus 16, 18).

«κἀγὼ δέ σοι λέγω ὅτι σὺ εἶ Πέτρος καὶ ἐπὶ ταύτῃ τῇ πέτρᾳ [petra] οἰκοδομήσω μου τὴν ἐκκλησίαν καὶ πύλαι ᾅδου οὐ κατισχύσουσιν αὐτῆς» (Mateus 16, 18 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            O termo usado aqui para pedra é petra (Grego 4073 da Concordância de Strong).

Mateus 21, 42 – 44:

«Disse-lhes então Jesus: “Nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra [lithon] que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra [kephalēn] angular; pelo Senhor foi feito isso e é maravilha aos nossos olhos’? Por isso vos afirmo que o Reino de Deus vos será tirado e confiado a um povo que o fará produzir seus frutos. Aquele que cair sobre esta pedra [lithon] ficará em pedaços, e aquela sobre quem ela cair, ficará esmagado”» (Mateus 21, 42 – 44).

«Λέγει αὐτοῖς ὁ Ἰησοῦς Οὐδέποτε ἀνέγνωτε ἐν ταῖς γραφαῖς Λίθον [lithon] ὃν ἀπεδοκίμασαν οἱ οἰκοδομοῦντες Οὗτος ἐγενήθη εἰς κεφαλὴν [kephalēn] γωνίας Παρὰ Κυρίου ἐγένετο αὕτη Καὶ ἔστιν θαυμαστὴ ἐν ὀφθαλμοῖς ἡμῶν Διὰ τοῦτο λέγω ὑμῖν ὅτι ἀρθήσεται ἀφ’ ὑμῶν ἡ βασιλεία τοῦ Θεοῦ καὶ δοθήσεται ἔθνει ποιοῦντι τοὺς καρποὺς αὐτῆς καὶ ὁ πεσὼν ἐπὶ τὸν λίθον [lithon] τοῦτον συνθλασθήσεται ἐφ’ ὃν δ’ ἂν πέσῃ λικμήσει αὐτόν» (Mateus 21, 42 – 44 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            Termos gregos usados aqui para pedra:

  • 1ª e 3ª ocorrências: lithon (Grego 3037 da Concordância de Strong);
  • 2ª ocorrência: kephalēn (Grego 2776 da Concordância de Strong).

Marcos 12, 10:

«Não lestes na Escritura: “A pedra [lithon] que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra [kephalēn] angular”» (Marcos 12, 10).

«οὐδὲ τὴν γραφὴν ταύτην ἀνέγνωτε Λίθον [lithon] ὃν ἀπεδοκίμασαν οἱ οἰκοδομοῦντες Οὗτος ἐγενήθη εἰς κεφαλὴν [kephalēn] γωνίας» (Marcos 12, 10 in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            Termos usados aqui para pedra:

  • 1ª ocorrência: lithon (Grego 3037 da Concordância de Strong);
  • 2ª ocorrência: kephalēn (Grego 2776 da Concordância de Strong).

Lucas 20, 17 – 18:

«Jesus, porém, fixando neles o olhar, disse: “Que significa então o que está escrito: ‘A pedra [lithon] que os edificadores tinham rejeitado tornou-se a pedra [kephalēn] angular?’ Aquele que cair sobre essa pedra [lithon] se quebrará todo, e aquele sobre quem ela cair, o esmagará”» (Lucas 20, 17 – 18).

«Ὁ δὲ ἐμβλέψας αὐτοῖς εἶπεν Τί οὖν ἐστιν τὸ γεγραμμένον τοῦτο Λίθον [lithon] ὃν ἀπεδοκίμασαν οἱ οἰκοδομοῦντες Οὗτος ἐγενήθη εἰς κεφαλὴν [kephalēn] γωνίας Πᾶς ὁ πεσὼν ἐπ’ ἐκεῖνον τὸν λίθον [lithon] συνθλασθήσεται ἐφ’ ὃν δ’ ἂν πέσῃ λικμήσει αὐτόν» (Lucas 20, 17 – 18 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            Termos usados aqui para pedra:

  • 1ª e 3ª ocorrências: lithon (Grego 3037 da Concordância de Strong);
  • 2ª ocorrência: kephalēn (Grego 2776 da Concordância de Strong).

Atos dos Apóstolos 4, 11:

«É ele [Jesus Cristo] a pedra [lithos] desprezada por vós, os construtores, mas que se tornou a pedra [kephalēn] angular» (Atos dos Apóstolos 4, 11).

«οὗτός ἐστιν Ὁ λίθος [lithos] ὁ ἐξουθενηθεὶς ὑφ’ ὑμῶν τῶν οἰκοδόμων ὁ γενόμενος εἰς κεφαλὴν [kephalēn] γωνίας» (Atos dos Apóstolos 4, 11 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            Termos usados aqui para pedra:

  • 1ª ocorrência: lithos (Grego 3037 da Concordância de Strong);
  • 2ª ocorrência: kephalēn (Grego 2776 da Concordância de Strong).

Romanos 9, 30 – 33:

«Que diremos, então? Que os gentios, sem procurar a justiça, alcançaram a justiça, isto é, a justiça da fé, ao passo que Israel, procurando uma lei de justiça, não conseguiu esta Lei. E por quê? Porque não a procurou pela fé, mas como se a conseguisse pelas obras. Esbarraram na pedra [lithō] de tropeço, conforme está escrito: “Eis que ponho em Sião uma pedra [lithon] de tropeço, uma rocha [petran] de escândalo; mas quem nela crer não será confundido”» (Romanos 9, 30 – 33).

«Τί οὖν ἐροῦμεν ὅτι ἔθνη τὰ μὴ διώκοντα δικαιοσύνην κατέλαβεν δικαιοσύνην δικαιοσύνην δὲ τὴν ἐκ πίστεως Ἰσραὴλ δὲ διώκων νόμον δικαιοσύνης εἰς νόμον οὐκ ἔφθασεν ιὰ τί ὅτι οὐκ ἐκ πίστεως ἀλλ’ ὡς ἐξ ἔργων προσέκοψαν τῷ λίθῳ [lithō] τοῦ προσκόμματος καθὼς γέγραπται Ἰδοὺ τίθημι ἐν Σιὼν λίθον [lithon] προσκόμματος καὶ πέτραν [petran] σκανδάλου καὶ ὁ πιστεύων ἐπ’ αὐτῷ οὐ καταισχυνθήσεται» (Romanos 9, 30 – 33 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            Termos usados aqui para pedra:

  • 1ª e 2ª ocorrências: lithō/lithon (Grego 3037 da Concordância de Strong);
  • 3ª ocorrência (rocha): petran (Grego 4073 da Concordância de Strong).

I Coríntios 10, 3 – 4:

«Todos comeram o mesmo alimento espiritual, e todos beberam a mesma bebida espiritual, pois bebiam de uma rocha [petras] espiritual que os acompanhava, e essa rocha [petra] era Cristo» (I Coríntios 10, 3 – 4).

«καὶ πάντες τὸ αὐτὸ πνευματικὸν βρῶμα ἔφαγον καὶ πάντες τὸ αὐτὸ πνευματικὸν ἔπιον πόμα ἔπινον γὰρ ἐκ πνευματικῆς ἀκολουθούσης πέτρας [petras]πέτρα [petra] δὲ ἦν ὁ Χριστός» (I Coríntios 10, 3 – 4 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            O termo usado aqui para rocha, em ambas as ocorrências, é petras/petra (Grego 4073 da Concordância de Strong).

Efésios 2, 20:

«Estais edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, do qual é Cristo Jesus a pedra angular [akrogōniaiou]» (Efésios 2, 20).

«ἐποικοδομηθέντες ἐπὶ τῷ θεμελίῳ τῶν ἀποστόλων καὶ προφητῶν ὄντος ἀκρογωνιαίου [akrogōniaiou] αὐτοῦ Χριστοῦ Ἰησοῦ» (Efésios 2, 20 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            O termo usado aqui para pedra angular é akrogōniaiou (Grego 204 da Concordância de Strong).

I Pedro 2, 4 – 8:

«Chegai-vos a ele, a pedra [lithon] viva, rejeitada, é verdade, pelos homens, mas diante de Deus eleita e preciosa. Do mesmo modo, também vós, como pedras [lithoi] vivas, prestai-vos à construção de um edifício espiritual, para um sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus por Jesus Cristo. Com efeito, nas Escrituras se lê: “Eis que ponho em Sião uma pedra [lithon] angular, [pedra angular – akrogōniaion] escolhida e preciosa; quem nela crê não será confundido”. Isto é, para vós que credes ela será um tesouro precioso, mas para os que não creem, a pedra [lithos] que os edificadores rejeitaram, essa tornou-se a pedra [kephalēn] angular, uma pedra [lithos] de tropeço e uma rocha [petra] que faz cair. Eles tropeçam porque não creem na Palavra, para o que também foram destinados» (I Pedro 2, 4 – 8).

«Πρὸς ὃν προσερχόμενοι λίθον [lithon] ζῶντα ὑπὸ ἀνθρώπων μὲν ἀποδεδοκιμασμένον παρὰ δὲ Θεῷ ἐκλεκτὸν ἔντιμον καὶ αὐτοὶ ὡς λίθοι [lithoi] ζῶντες οἰκοδομεῖσθε οἶκος πνευματικὸς εἰς ἱεράτευμα ἅγιον ἀνενέγκαι πνευματικὰς θυσίας εὐπροσδέκτους [τῷ] Θεῷ διὰ Ἰησοῦ Χριστοῦ διότι περιέχει ἐν γραφῇ Ἰδοὺ τίθημι ἐν Σιὼν λίθον [lithon] ἐκλεκτὸν ἀκρογωνιαῖον [akrogōniaion] ἔντιμον καὶ ὁ πιστεύων ἐπ’ αὐτῷ οὐ μὴ καταισχυνθῇ Ὑμῖν οὖν ἡ τιμὴ τοῖς πιστεύουσιν ἀπιστοῦσιν δὲ Λίθος [lithos] ὃν ἀπεδοκίμασαν οἱ οἰκοδομοῦντες οὗτος ἐγενήθη εἰς κεφαλὴν [kephalēn] γωνίας Καὶ Λίθος [lithos] προσκόμματος καὶ πέτρα [petra] σκανδάλου Οἳ προσκόπτουσιν τῷ λόγῳ ἀπειθοῦντες εἰς ὃ καὶ ἐτέθησαν» (I Pedro 2, 4 – 8 em grego in: Interlinear Bible, Greek Study Bible).

            Termos usados aqui para pedra:

  • 1ª, 2ª, 3ª, 5ª e 7ª ocorrências: lithon/lithoi/lithos (Grego 3037 da Concordância de Strong);
  • 4ª ocorrência: akrogōniaion (Grego 204 da Concordância de Strong);
  • 6ª ocorrência: kephalēn (Grego 2776 da Concordância de Strong);
  • 8ª ocorrência: petra (Grego 4073 da Concordância de Strong).

            Como se pode ver, quando o Novo Testamento se refere a Jesus como pedra angular (único caso em que Ele é uma pedra de edificação) são usados os termos akrogóniaios (com suas variações) e kephalé (com suas variações), ao passo que em Mateus 16, 18, quando Jesus fala da pedra base da Igreja, é usado o termo grego petra.  

            E quando diz que Jesus é a pedra rejeitada pelos construtores é usado o termo lithos (com suas variações). Os termos usados são diferentes, o que já é um indício de que não se trata da mesma coisa. E, além de serem termos diferentes, os significados deles são diferentes, segundo a Concordância de Strong. Vejamos primeiro o termo petra, que foi usado para a pedra base da Igreja:

(Concordância de Strong, Grego 4073)

            Petra, como se pode ver, se refere a uma grande massa rochosa, isto é, a uma rocha grande. Vamos agora ao termo kephalé, usado para pedra angular em Mateus 21, 42 – 44; Marcos 12, 10; Lucas 20, 17 – 18, Atos dos Apóstolos 4, 11 e I Pedro 2, 4 – 8:

(Concordância de Strong, Grego 2776)

Kephalé, como se pode ver, tem o sentido de cabeça (no sentido de chefia) ou também pedra angular, que une duas paredes (sentido em que é aplicado a Cristo). Vamos agora ao termo akrogóniaios, usado para pedra angular em Efésios 2, 20 e I Pedro 2, 4 – 8:

(Concordância de Strong, Grego 204)

            Akrogóniaios, como de pode ver, tem o sentido de ângulo extremo ou canto, ou canto de um edifício (referência à pedra angular, sentido em que é aplicado a Jesus). Por fim, vamos ao termo lithos, usado nas passagens que falam da pedra angular para dizer que Jesus é a pedra rejeitada pelos construtores:

(Concordância de Strong, Grego 3037)

            Lithos, como se pode ver, significa pedra, de modo geral, sem nenhum tipo de especificação. Também é aplicado para Jesus como a pedra principal em um edifício. Nesse caso, refere-se à pedra angular, que como vimos anteriormente, é a pedra central (principal) nas construções antigas, e não à pedra base.

            Além disso, kephalé, akrogóniaios e lithos, que são os termos usados quando se diz que Jesus é a pedra rejeitada pelos construtores e a pedra angular, não são sinônimos de petra, o termo usado para se referir à pedra base da Igreja. Termos diferentes com sentidos diferentes porque se trata de realidades diferentes.

            E quando é usado o termo petra para Jesus, é sempre num sentido que não tem nada a ver com edificação. Esse termo é usado tanto em Romanos 9, 30 – 33, que cita a profecia de Isaías 28, 16, como em I Pedro 2, 4 – 7, que faz referência à mesma profecia de Isaías e ao Salmo 117(118),22. Nesses casos, o termo petra é para rocha de escândalo ou rocha que faz cair, algo que claramente não é uma pedra de edificação.

            Em I Coríntios 10, 3 – 4, o termo petra é usado para se referir aos episódios da água da rocha do Horeb (Êxodo 17, 1 – 7) e das águas de Meriba (Números 20, 1 – 11), para dizer que a água da rocha prefigura Cristo, a rocha espiritual da qual os israelitas beberam, algo claramente nada a ver com pedra de edificação. Logo, petra, nesses três casos, nada tem a ver com edificação e, muito menos, com Mateus 16, 18.

            Como se pode ver, quando o Novo Testamento afirma que Jesus é a pedra angular (único caso em que Ele é pedra de edificação), não utiliza o termo petra e nem um sinônimo. E quando o termo petra é utilizado para Jesus é somente em casos que não têm nada a ver com pedra de edificação. Em suma, a rocha (petra) sobre a qual a Igreja foi edificada não é a pedra angular (kephalé ou akrogóniaios), que é Cristo.

Conclusão

            Como podemos ver, após todo esse estudo, não há qualquer fundamento para identificar a pedra base da Igreja com a pedra angular. A lógica, o contexto da frase de Jesus e a coerência textual não permitem essa identificação. O conceito de pedra angular, no contexto das construções antigas, também não permite essa identificação.

            O Novo Testamento claramente identifica São Pedro como pedra e o liga à pedra base da Igreja. E diante do texto grego do Novo Testamento, esse argumento fica ainda mais insustentável. De fato, a pedra base da Igreja não é a pedra angular. São realidades diferentes. Jesus é a pedra angular, não a pedra base. Portanto, como demonstrado neste estudo, Jesus, com toda a certeza, não se referia a Ele mesmo quando falou da pedra base sobre a qual a Igreja seria erguida.

Referências

BÍBLIA de Jerusalém. Nova edição, revista e ampliada. São Paulo: Paulus, 2002.

NOVO Tempo. Bíblia OnLine. Disponível em: https://pesquisa.biblia.com.br/. Acesso em: 11/jul/2021.

INTERLINEAR Bible. Greek, Hebrew, Strongs. Disponível em: https://biblehub.com/interlinear/. Acesso em: 11/jul/2021.

RODRIGUES, Rafael. Pedro, a Rocha (Parte I). Disponível em: http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/papado/483-pedro-a-rocha-parte-i. Acesso em: 11/jul/2021.

SANCHEZ, André. O que era a pedra angular ou pedra de esquina? Por que Jesus era essa pedra?. Disponível em: https://www.esbocandoideias.com/2019/06/pedra-angular-pedra-de-esquina.html. Acesso em: 11/jul/2021.

STRONG, James. Strong’s Exhaustive Concordance of the Bible. Disponível em: https://biblehub.com/strongs.htm. Acesso em: 11/jul/2021.



Categorias:Bíblia, Refutações

Tags:, , , , ,

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: